Cadastre-se e tenha acesso a conteúdos exclusivos!
Quero me cadastrar!
Menu & Busca
Stonehenge: DNA revela a origem de seus construtores

Stonehenge: DNA revela a origem de seus construtores

Estudos mostram que os antecessores do povo que construiu Stonehenge viajaram pelo ocidente e atravessam o Mediterrâneo antes de chegar à Grã-Bretanha, de acordo com a BBC.

Pesquisadores compararam DNA extraído de vestígios neolíticos de vida humana, encontrados pela Grã Bretanha, com outros vestígios da mesma época, achados pela Europa. Os habitantes neolíticos, aparentemente, viajaram de Anatólia (atual Turquia) para a Ibéria (atual Espanha e Portugal) antes de se direcionarem o caminho para o norte. Eles chegaram na Grã Bretanha em volta de 4.000 A.C.

A migração para a Grã Bretanha foi uma parte de uma expansão massiva do povo de Anatólia em 6.000 A.C., que introduziu a agricultura na Europa. Antes disso, o continente era povoado por grupos pequenos e nômades que caçavam animais e colhiam plantas e mariscos para se alimentar. Um grupo de agricultores primitivos seguiu o Rio Danúbio e chegou à Europa Central, mas outro grupo viajou pelo oeste e atravessou o Mediterrâneo.

Ao analisar o DNA dos agricultores britânicos primitivos, os pesquisadores viram uma semelhança majoritária com o povo neolítico da Ibéria. Esses agricultores ibéricos eram descendentes do povo que viajou pelo Mediterrâneo, revelando que os britânicos, em grande parte, descendem dos grupos que tomaram a rota mediterrânica, seja pela costa ou de ilha em ilha em barcos. Alguns grupos britânicos tinham uma minoria ancestral dos grupos que tomaram a rota do Danúbio.

Reconstrução facial de uma mulher neolítica de 5.600 anos. Fica exibida no
Royal Pavilion & Museum em Brighton, Reino Unido. –
Fonte: BBC

Os agricultores mediterrâneos viajaram da Ibéria (ou de algum lugar mais próximo) para a França. Eles podem ter entrado na Grã Bretanha pelo oeste, através de Gales, ou pelo sudoeste da Inglaterra. Dados de radiocarbono sugerem, de fato, que o povo neolítico chegou bem mais cedo no oeste, mas esse tópico ainda está sujeito a estudos.

Além da agricultura, os imigrantes neolíticos na Grã Bretanha introduziram, aparentemente, a tradição de construir monumentos usando pedras largas conhecidos por megalíticos. A famosa Stonehenge, que fica em Wiltshire, no Reino Unido, faz parte dessa tradição.

A construção de Stonehenge começou por volta de 3.000 A.C.
Fonte: BBC

Mesmo que a Grã Bretanha fosse habitada por grupos de caçadores-coletores ocidentais quando os agricultores chegaram em cerca de 4.000 A.C., o DNA mostrou que os dois grupos não se misturaram muito. Os caçadores-coletores britânicos foram quase que completamente substituídos pelos agricultores neolíticos, exceto por um grupo da Escócia ocidental, onde os habitantes neolíticos tinham elevada ancestralidade local. “Não encontramos nenhuma evidência detectável para os ancestrais caçadores-coletores ocidentais britânicos locais nos fazendeiros neolíticos depois que eles chegaram” disse o coautor da pesquisa Dr. Tom Booth, especialista em DNA ancestral do Museu de História Natural de Londres. “Isso não significa que eles não se misturam em nenhum momento. Só quer dizer que, talvez, a população deles fosse pequena demais para deixar qualquer tipo de legado genético”, completou. O outro coautor da pesquisa, Mark Thomas, professor da University College London (UCL), disse que também favoreceu “uma explicação numérica”.

Thomas disse que, provavelmente, os agricultores neolíticos tiveram que adaptar as práticas para as diferentes condições climáticas conforme se mudavam pela Europa. Quando chegaram à Grã Bretanha, eles certamente já estavam equipados e preparados para cultivar no clima do noroeste europeu.

O estudo também analisou o DNA desses caçadores-coletores britânicos. Um dos esqueletos analisados foi o de Cheddar Man, cujos restos mortais são de 7.100 A.C.. O DNA dele também sugere que, como a maior parte dos caçadores-coletores europeus da época, ele tinha a pele escura combinada com olhos azuis. As análises genéticas mostram que os agricultores neolíticos, em contraste, tinham a pele mais pálida combinada com olhos castanhos e cabelo preto ou castanho escuro.

Reconstrução facial de Cheddar Man indica que ele tinha pele escura e olhos claros
Fonte: BBC

Durante o final do Neolítico, por volta de 2.450 A.C., os descendentes dos agricultores primitivos foram quase que inteiramente substituídos por uma nova população – chamada povo do Vaso Campaniforme – que migrou da Europa continental. Então, os britânicos passaram por duas mudanças genéticas extremas em alguns milhares de anos.

Thomas disse que esses eventos aconteceram pouco depois do declínio do povo neolítico, tanto na Grã Bretanha quanto pela Europa. Ele alertou que as causas das mudanças genéticas podem ter explicações simples relacionadas à conflitos ou, como última opção, fatores “econômicos”.

0 Comentários

Tags mais acessadas