Menu & Busca
Shawn Mendes: The Tour – Análise Completa do Show em São Paulo

Shawn Mendes: The Tour – Análise Completa do Show em São Paulo


Análise completa do show realizado em São Paulo no dia 29 de novembro.

Shawn Mendes: The Tour - Review
Shawn Mendes: The Tour – Review

Pela primeira vez em São Paulo, o cantor canadense trouxe ao Brasil a turnê de seu mais recente álbum, o autointitulado Shawn Mendes. Com três shows agendados, sendo dois na capital paulista e um no Rio de Janeiro, apenas dois foram realizados. O show marcado para São Paulo, que ocorreria no último sábado, 30, foi cancelado por motivos de saúde do cantor, um dia depois de sua primeira apresentação no Allianz Parque.

A turnê foi iniciada na Europa em 7 de março deste mesmo ano e passou também pela América do Norte, Ásia, Oceania e, por fim, América Latina. Foram marcadas 106 apresentações espalhadas pelas localidades mencionadas, sendo que o último show está agendado para 21 de dezembro na Cidade do México.

O palco principal era pequeno e isso deixava evidente o estilo do show que levava. Por ser um cantor solo, ele passa a ser um dos únicos elementos do palco, sem grandes espetáculos de dança que recorrem a espaços maiores. Além do principal, havia também um palco segundo palco, localizado no centro da plateia, sendo este acessado por um corredor em que o cantor poderia interagir com o público na sua passagem pelo mesmo.

Na entrada do evento eram distribuídas pulseiras de LED que, no decorrer do show, piscavam e mudavam de cor justo com as músicas. Outro elemento de destaque na montagem do espetáculo era a estrutura de uma rosa, posicionada junto ao palco central, que mudava de cor e altura com o passar do show.

A noite foi iniciada às 20 horas pelo show de abertura realizado pela banda nacional, Lagum. Com seu primeiro álbum lançado em 2016, a banda trouxe o gênero do pop rock com muito carisma e animação. Seus grandes sucessos como “Deixa” e “Bem Melhor” fizeram parte das nove canções selecionadas para a tracklist da apresentação.

Poucos minutos depois do show do Lagum, Shawn Mendes sobe ao palco. Com o microfone preso a um pedestal e um violão nos braços, posicionamento clássico do cantor, Mendes deu início a apresentação com um dos seus últimos singles lançados, “Lost In Japan”.

Sem perder o ritmo agitado, o cantor seguiu com “There’s Nothing Holdin’ Me Back” e “Nervous”. Após a abertura com essas três músicas, Mendes utilizou de breves minutos para conversar com a plateia, que não poupava esforços para demonstrar o afeto pelo artista. “Eu tenho gratidão por vocês”, frase pronunciada em português, marcou um dos diversos momentos do show que o cantor declarava seu carinho pelos fãs.

Dando continuidade com a eletrizante “Stiches”, canção que levou o cantor a receber um reconhecimento notório em 2016. Em seguida, Mendes vai até o piano, acompanhado apenas de um facho de luz, para uma performance melancólica de seu último lançamento, “Senhorita”, parceria com a cantora Camila Cabello. O ar dramático continua em uma breve citação de “I Know What You Did Last Summer”, outra parceria com Cabello. Já de volta ao violão, ainda persistindo no tom sentimental, o cantor performa “Mutual” e “Bad Reputation”.

A apresentação de “Never Be Alone” foi, sem dúvidas, o momento mais sensível do show. Mendes apresenta a faixa acompanhado de uma grande lua projetada no telão circular do palco principal e consegue comover o público, que acompanha o cantor com um coro marcante.

Seguindo para o segundo palco, localizado no meio da plateia, o cantor realiza o ato mais calmo e emocional do show. Fazendo um breve cover de “I Wanna Dance With Somebody”, canção de Whitney Houston, ele declara seu amor pelos fãs brasileiros. No piano, Mendes também apresenta “Little Too Much” e “When You’re Ready”. O estádio alcança um tom de luz azulado, fazendo referência a cor de seu primeiro álbum lançado, “Handwritten”, para a apresentação de “Life of The Party”, single de estreia do cantor, lançado em 2014, emocionando os fãs veteranos.

Para finalizar a apresentação no segundo palco, Mendes performa “Ruin” e “Like To Be You”, sendo este último uma parceria com a cantora e compositora Julia Michaels. Ao retornar para o palco principal, o cantor canadense retoma o ritmo mais agitado com “Treat You Better”. A apresentação foi seguida por “Particular Taste”, momento mais despojado de Mendes no palco, onde ele andou pelo espaço acompanhado apenas do microfone, fazendo um breve contato com a platéia. 

Continuando com as faixas mais descontraídas, o cantor performou “Where Were You In The Morning” e “Fallin’ All In You”, sendo que nesta última Mendes fez um convite aos apaixonados da plateia, para se declararem a seus respectivos.

Se você trouxe alguém aqui hoje como um encontro e estava esperando por uma música para tomar uma atitude, essa é a música pra isso.

Disse.

Em seguida, a apresentação de “Youth”, parceria com o cantor Khalid, marcou a noite devido a um discurso realizado por Mendes ao fim da performance. O cantor se posicionou na questão da luta para a preservação ambiental, devido ao cenário preocupante da Amazônia, que alcançou grande espaço na mídia internacional nos últimos meses.

Cabe a nós nos levantarmos e dizer que não importa o que aconteça, nossa juventude não será tirada de nós.

Disse o cantor ao virar o violão para a plateia e mostrar a frase “Climate Action Now” escrita atrás do instrumento.

Na performance da faixa “If I Can’t Have you”, o cantor desce em direção a plateia para interagir com o público e recebe a bandeira do Brasil de uma fã, tal bandeira que ele leva até o palco e a coloca sobre o piano, onde apresenta “Why” em seguida. De pé apenas com o microfone, Mendes cantou “Mercy”, momento do show que deu mais destaque a seus vocais.

De volta ao piano pela última vez, dando início ao encerramento do show, ele performa um cover da música “Fix You”, da banda britânica Coldplay. A última faixa da noite foi o single, “In My Blood”. Ao fim da música, com fumaça e canhões de confete trazendo o clima de despedida, Mendes corre no corredor entre os palcos para fazer um contato direto com os fãs pela última vez.

Levando em consideração todos os aspectos mencionados, apresentação é comovente. Não devido a grandes números, mas sim pelo esforço do cantor. Fica evidente que Mendes se dedica para dar o melhor de si durante toda a performance. Ele relembra canções antigas que foram responsáveis por formá-lo como artista. A apresentação de covers durante o show faz referência ao início de sua carreira, em que Mendes publicava vídeos cantando na internet, elemento crucial para sua entrada no mundo da música.

O show consegue sintetizar tudo que o cantor foi nos últimos cinco anos em atividade. O álbum em que a turnê tomou como base, deixa claro que Mendes agora entra em uma nova fase de sua carreira, sem abandonar seu estilo de origem. É uma apresentação simples, sem muitos elementos de palco, mas que o cantor em si, apenas com sua voz, uma guitarra e um piano conseguem realizar um grande espetáculo por conta própria. Ele deixa explícito o sua gratidão pelos fãs e pelo país, não poupando esforços para entregar uma apresentação completa de forma humilde e sincera.

________________
Maria Luiza Priori Pimentel – Fala!MACK

Quer se tornar um colaborar e escrever para o fala?
Saiba como

0 Comentários

Tags mais acessadas