Home / Colunas / Resenha: A Morte do Superman

Resenha: A Morte do Superman

Por Bianca Rocha – Fala!FIAMFAAM

A MORTE DO SUPERMAN

Vamos relembrar esse evento marcante, que saltou do mundo dos quadrinhos para a vida real.

O mais importante herói da DC Comics, o primeiro super-herói do mundo nerd. Mais rápido que uma bala. Mais forte que uma locomotiva. Capaz de saltar de um prédio, com um só pulo. É um pássaro? É um avião?

O Kryptoniano Kal-El, conhecido na terra como Clark Kent, criado por Jerry Siegel e Joe Shuster, teve sua primeira aparição na revista Action Comics #1 em 1938. Superman é enviado em uma nave por seus pais, Jor-El e Lara Lor Van, à Terra, momentos antes de seu planeta Krypton explodir. Aqui na Terra, ele é criado por Jonathan e Martha Kent.

Com suas histórias e ações incríveis, não demorou muito para o herói ganhar o coração dos nerds.  Não é a toa que ele é um dos heróis mais importantes do universo DC. Em meados dos anos 90, Superman havia perdido sua força no mercado de revistas em quadrinhos, suas histórias não eram tão vendidas e os “Mutantes” na Marvel estavam ganhando muito mais força no mercado. Diante desse cenário, em uma discussão entre os editores do Homem de Aço, um deles soltou a frase: “vamos matá-lo”. No início, era apenas uma brincadeira, mas perceberam depois que seria uma bela jogada de marketing e que assim poderiam fazer o herói grande novamente.

Lois Lane, que trabalha ao lado de Clark no Planeta Diário, descobriu a identidade super poderosa de Clark, e com o passar do tempo namoraram e noivaram. A edição#75 era para ter sido o casamento de Clark e Lois, a DC, porém, resolveu matar o Superman – o que deu bastante certo.

O marketing nos jornais era “Doomsday Is Coming For Superman” ou seja “Apocalypse está chegando para o Superman”.


Apocalypse 
é um monstro criado em laboratório, em um planeta habitado apenas por monstros cruéis e violentos. Sua história é a seguinte: havia um cientista que queria criar o ser supremo do universo. O cientista capturava bebês e neles fazia experimentos, para depois jogá-los na vida selvagem daquele planeta cruel e perigoso. Naturalmente o bebê morria, pois não era adaptado a toxicidade do planeta. O mesmo cientista pegava o DNA que sobrava do bebê e fazia o mesmo procedimento. Assim sendo, ele fez isso por décadas. O dna desse bebê, porém, começou a criar um tipo de memória, e com o tempo foi se desenvolvendo com memórias de dor, e logo a criatura se desenvolveu com uma pele acinzentada e ossos para fora de seu corpo. Ele começou a matar as criaturas pequenas do planeta, até que, com todo seu ódio e raiva por ter morrido tantas vezes, destruiu completamente o planeta e os monstros que o habitavam. Nascia Apocalypse

Após destruir seu planeta natal, Apocalypse foi detido em fuga a outro planeta. Os habitantes desse planeta enterraram o corpo de Apocalypse em um outro planeta, então em desenvolvimento: a Terra. Em nossa querida Terra repousou Apocalypse por séculos. Até que a criatura, um dia, simplesmente aprendeu a ressuscitar, e assim saiu destruindo tudo o que via pela frente.

Kara Zor-El (Supergirl) tentou ajudar seu primo, mas o clone de Lex Luthor conhecido como Luthor 2 não havia deixado, por receio que Supergirl não resistiria. Mesmo assim Kara tentou ajudar Kal-El (Superman), mas com apenas um soco do monstro, Kara quase não resistiu. Na época, o grupo que tentou destruir monstro era formado por: Besouro Azul, Gladiador Dourado, Guy Gardner, Fogo, Gelo, Máxima e o Bloodwynd. Clark Kent estava em uma entrevista na TV, quando soube que o grupo de super-heróis estava sendo derrotado, em batalha onde a Máxima quase morre. Superman, mesmo numa batalha muito difícil, não conseguia destruir Apocalypse.

Clark entendeu que, para derrotar Apocalypse, era preciso ser tão violento quanto o próprio. Assim, começou um verdadeiro massacre, com destruição e muito sangue. E no soco entre os dois e ao mesmo tempo, a criatura consegue ser derrotada.  Superman com muitos ferimentos, perguntou a Lois Lane se Apocalypse havia sido derrotado, ela diz que sim – e assim, Kal-El morre em seus braços. Guardião até tenta ressuscita-lo mas não obtém sucesso.  No Planeta Diário, Lois diz que Clark Kent morreu quando estava realizando uma reportagem no local, assim foi dado como morto.

O funeral de Superman é feito, e até o próprio presidente lhe presta homenagens, como também praticamente todos os super-heróis da cidade  A cidade de Metrópolis praticamente parou com a morte do herói. Os pais terráqueos de Kent chorando, Lois se lamentando, Clone de Luthor tentando recuperar Kara… Até que, em uma imagem, Jonathan Kent, aparece segurando um jornal que dizia que o corpo de Superman havia sido roubado – e assim ele teve um ataque cardíaco e acabou não resistindo. Lois Lane abre o caixão de Clark e vê que realmente seu corpo não está lá, e aí começa “O Retorno de Superman“.

Cardimus aparece mais tarde, dizendo que roubou o corpo do Super-homem, para tentar ressuscita-lo. E nisso aparece quatro tipos de Superman.

São eles:

Aço (Que achava que poderia agradecer o Superman, assumindo o posto dele. Pois foi salvo uma vez pelo próprio).

Último Filho de Krypton

Superboy

Superciborg (Esse acreditava mesmo ser o Superman, até por eles terem o mesmo DNA)

E então começa uma nova saga chamada como “Reino de Superman”.

Considerações Finais.

As mortes de Superman são marcantes, principalmente para os fanáticos desse herói. Porém a primeira morte de Superman que ocorreu em 1993, foi um evento muito mais que marcante.  A edição teve uma repercussão extraordinária. Jornais impressos e veículos de informação, como rádio e TV, cederam espaço para falar sobre os quadrinhos americanos e principalmente sobre a HQ que dizia “A Morte de Superman”. As revistas foram vendidas feito água e no Brasil começou a vender no mesmo ano em que foi lançado.

Fizeram Superman grande novamente.

Confira também

São Paulo: 40 anos do Centro Acadêmico Vladimir Herzog

A Entidade mais antiga da Faculdade Cásper Líbero recorda seus 40 anos de existência O ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *