Home / Colunas / Qual a relação entre espiritualidade e respeito à natureza?

Qual a relação entre espiritualidade e respeito à natureza?

Por: Rosângela Aguiar – SiteMetamorfose

 

O assunto fez parte de debate durante o 20° FICA realizado entre 5 a 10 de junho na Cidade de Goiás e surpreendeu quem participou.

Mãe Flávia Lima, umbandista no FICA 2018. Foto: Maria Luiza Graner

 

Um católico, uma umbandista e um indígena. O que os três tem em comum? A certeza de que a humanidade deve mudar a relação que tem com a natureza, com o planeta, antes que ele sucumba pelo esgotamento do uso exploratório, que suga todas as energias e faz com que padeça em uma crise que certamente pode levar ao fim da humanidade. Os três têm em comum uma visão da religiosidade para além das mais diversas denominações, que passa pelo respeito ao outro e ao meio ambiente, do resgate da espiritualidade para além da religião e com respeito ao sagrado da natureza.

Como as diferentes religiosidades enfrentam e se relacionam com a crise ambiental pela qual passa o planeta? Como estão ressignificando o postulado? Um debate inesperado durante o 20° FICA em um lugar mágico e que emana espiritualidade: à sombra do centenário pé de tamarindo no pátio do Convento do Rosário na Cidade de Goiás. Mãe Flávia Lima, Babá da Casa do Perdão, terreiro de umbanda do Rio de Janeiro, socióloga, militante negra e feminista; Frei Paulo Castanhede, teólogo e integrante da Ordem dos Frades Dominicanos, e Ailton Krenak, líder e ativista indígena a tribo Krenak e integrante do júri da mostra comepetitiva do 20° FICA; emocionaram do início ao fim todos ali presentes nesta inesperada mesa de debates no dia 9 de junho. Ao final das falas e perguntas, uma benção feita por cada um e no estilo de suas crenças levou muitos ao choro e à mais pura emoção e elevação de espírito numa integração perfeita com a natureza ali presente: homens, mulheres e natureza.

Ailton Krenak, líder indígena. Foto: Maria Luiza Graner

 

O líder indígena Ailton Krenak não estava previsto para compor a mesa “A nova espiritualidade”, mas ao vê-lo no fundo do pátio em estado de êxtase com o debate, pensativo e “viajando” nas ideias, o coordenador da mesa, o jornalista André Trigueiro, não se conteve e o chamou para participar, para a felicidade de todos e da discussão. Pois ele, Ailton Krenak, um lutador e defensor das crenças indígenas, um povo que vive da natureza e a respeita porque é dela que tiramos nosso sustento, a nossa vida, corroborou com que Mãe Flávia e Frei Paulo falavam: temos que resgatar a nossa relação com a natureza, temos que respeitá-la para que ela continue nos dando os frutos que nos alimenta e mata nossa sede.

A interseccionalidade entre espiritualidade e meio ambiente foi o ponto de partida das discussões porque são temas que se confundem, uma vez que a base de toda e qualquer religião e da tradição espiritualista defende a vida e está intrinsecamente ligada à proteção e conservação da natureza e dos recursos naturais.

“Não se trata de propor uma nova espiritualidade, mas de resgatar a espiritualidade que está para além da religiosidade. Quem bebe do sagrado de cada religião, não tem problema em dialogar”, esclareceu Frei Paulo Castanhede. Este foi um ponto em comum nas falas daquela manhã de sábado, assim como a necessidade de recuperar e reconhecer o sagrado da natureza que nos alimenta.

Frei Leonardo Boff. Foto: Maria Luiza Graner

 

Se, por um lado, a umbanda tem na sua raiz de espiritualidade uma forte ligação com os recursos naturais, porque trabalha com os elementos da natureza como a água, por exemplo, os rituais indígenas de todas as etnias têm uma ligação ainda mais forte de respeito pelo que o planeta nos fornece de alimento. “Nós fomos perdendo ao longo dos séculos a nossa relação com o sagrado da natureza como meio único de vida, porque há séculos atrás era dela que tirávamos o que precisávamos para nos alimentar e não existia desequilíbrio da natureza como agora”, ressaltou Mãe Flavia.

A umbandista ressaltou a necessidade de respeitarmos os povos originais do Brasil, os povos indígenas e suas tradições e conhecimentos de lidar com a natureza. “Na Casa do Perdão agradecemos por todo alimento que temos porque alguém plantou e passou pelo ciclo da natureza. Temos que agradecer”, disse. Para o líder indígena, Ailton Krenak, é necessário ir além e enxergar o mundo de forma plural. “Recriando o mundo todo dia, toda a noite, é assim em nossa tradição. Nós trocamos de corpo, de pele, e a terra também troca de corpo”, explica.

Segundo Frei Leonardo Boff, citado durante as discussões, é preciso exercer a ética do cuidar, ou seja, cuidar das pessoas, da água, do ar, da árvore. “Uma pregação religiosa que não faz isso foge da espiritualidade, do encontro com o sagrado”, ressalto Frei Paulo Castanhede. Uma ética que todos presente ao debate concordam e o que se espera é que levem para o dia a dia este cuidar do meio ambiente que vivemos. E como disse o líder Krenak, livres porque “devemos agir como átomos livres interagindo entre si”.

Acompanhe mais textos no Site Metamorfose

Confira também

São Paulo: 40 anos do Centro Acadêmico Vladimir Herzog

A Entidade mais antiga da Faculdade Cásper Líbero recorda seus 40 anos de existência O ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *