Rádio Gazeta AM: vozes que fazem parte de sua história
Menu & Busca
Rádio Gazeta AM: vozes que fazem parte de sua história

Rádio Gazeta AM: vozes que fazem parte de sua história

Home > Universidades > Cásper > Rádio Gazeta AM: vozes que fazem parte de sua história

POR LUANNA MARTINS

Cásper Líbero – um dos líderes dos meios de comunicação de sua época – adquiriu em 1943 a Rádio Educadora Paulista e a transformou em Rádio Gazeta, que em 15 de março passou a operar por meio do sinal da primeira estação de São Paulo, dando início a uma trajetória que já completou 70 anos de profissionalismo e alta qualidade. Desde seu início e até os dias de hoje a Rádio Gazeta pode ter sua história subdividida em três fases ou palavras-chave: elite, esportes e rádio universitária.

Inicialmente era conhecida como Rádio Gazeta – A Emissora de Elite. Não uma elite econômica, mas sim cultural, pois se dedicava a transmissão de música erudita: “As pessoas que ouviam a Rádio Gazeta não eram apenas da classe A, mas muita gente da classe B ou C que por alguma razão tinha gosto e afinidade pela música clássica e por isso ouvia os programas”, diz Irineu Guerrini Junior, professor de História da Rádio e da TV, em entrevista para o Jornal da Gazeta.

Para isso, Cásper Líbero contratou os melhores locutores e profissionais que o mercado da época oferecia, para produzir e proporcionar um trabalho de ponta. E foi o que aconteceu. Diferenciando-se das demais emissoras da época, logo de início a Rádio Gazeta continha orquestra sinfônica e coral lírico próprio, além de contar com pianistas e cantores de altos níveis. A maioria dos concertos eram exibidos ao vivo diretamente dos auditórios e no horário nobre a rádio transmitia programas de músicas clássicas.

Na era dos esportes

A partir dos anos 60 a Rádio Gazeta passa a ter uma programação mais voltada para o esporte. Com a televisão se tornando a principal fonte de informação e entretenimento, não só a Gazeta, mas todas as emissoras de rádio começaram a perder audiência, tendo que inovar e tomar novas medidas para que se mantivessem firmes nessa nova fase.

Com isso, a rádio deixou de transmitir programas de auditório ao vivo e, em vez das vozes líricas e das músicas clássicas, transmissões jornalísticas – principalmente esportivas – tomaram conta da emissora, que passou a ter o tema como marca, sendo associada a grandes eventos esportivos. Foi nessa época que a rádio também conquistou altos índices de audiência.

Aprendendo na prática

No dia 1º de junho de 2009 a Rádio Gazeta AM passou a ser dirigida pela Faculdade Cásper Líbero, e iniciou uma fase de projetos voltados para os universitários, o que perdura até hoje. Atualmente a maioria dos programas são realizados com a colaboração dos próprios alunos, que utilizam a ferramenta como um tipo de “escola prática”. Jony Oliveira, sonoplasta que trabalha a mais de 30 anos na emissora diz: “Antes a rádio era comercial, os alunos só participavam indiretamente das atividades. Agora mais do que nunca passou a ser uma ferramenta dos próprios alunos. Eles estão aqui diariamente contribuindo e aprendendo muito”.

A “Rádio Universitária” é uma maneira doa alunos vivenciarem como é trabalhar nesse meio de comunicação. “A Rádio Gazeta AM quer se desenvolver cada vez mais e agora com os alunos está sendo muito mais legal, porque além deles saberem como é o funcionamento na prática, também é um meio de progredirem na área”, fala Ivan Carvalho, engenheiro e técnico dos equipamentos da emissora.

Quem percorre pelos arredores do quarto andar do prédio da faculdade pode ver rostos e ouvir vozes diferentes a cada dia, pois são muitos os alunos que estão participando, e cada ano mais jovens aparecem para dar novas ideias e uma cara mais “casperiana” para a rádio. E o legal é que você pode realmente fazer e aprender um pouco de tudo, pois as portas sempre estão abertas para quem se interessa.

Assunto é o que não falta lá. Tem de tudo: esporte, história, cultura, notícias diárias… Enfim, tem muita coisa legal e você sempre vai achar algo que seja compatível com o que deseja. A galera é muito unida, e não só os alunos como toda equipe que está envolvida, como os sonoplastas e os técnicos, acabam criando uma amizade, o que torna o ambiente ainda mais agradável. “Sinceramente, acho o que me leva a ficar aqui por mais tempo são os alunos, porque se fosse como antigamente seria chato, mas agora com eles é tudo diferente. A gente faz amizade, a gente brinca, briga, mas no fim está sempre todo mundo unido”, confessa Jony.

“Rádio já faz parte da minha vida”. Isso é o que se ouve de muitas vozes que entraram somente para conhecer o local e se apaixonaram pelo meio radiofônico. Aprender praticando é a melhor forma de ser bom, e para quem realmente quer seguir carreira a oportunidade que a faculdade proporciona é única, pois não se encontra em nenhum outro lugar. “Rádio é a melhor escola, pois exige do comunicador sua própria essência, que é o som”, diz Leonardo Levatti, apresentador do Tarde Gazeta, um dos programas onde os próprios alunos produzem e gravam os quadros. Como Ricardo Rossi – aluno das pós-graduação – diz “participar dessa rádio é continuar um trabalho de qualidade, porque por mais que seja universitária, continua sendo muito boa como sempre foi”.

A Gazeta AM com certeza conquista a todos que participaram e ouvem seus programas. Para os alunos, vale muito a pena passar por lá e conferir de perto, pois pode ser sua voz que está falando para completar mais um momento da história da rádio.

Fernanda Figueiredo (6) Fernanda Figueiredo (7) Fernanda Figueiredo (9) Fernanda Figueiredo (11) Fernanda Figueiredo (13) Helo_sa Aun (10) Luanna Martins-1

0 Comentários

Tags mais acessadas