'Prism', álbum de Katy Perry — uma lembrança de sua evolução
Menu & Busca
‘Prism’, álbum de Katy Perry — uma lembrança de sua evolução

‘Prism’, álbum de Katy Perry — uma lembrança de sua evolução

Home > Entretenimento > Música > ‘Prism’, álbum de Katy Perry — uma lembrança de sua evolução

Com o anúncio de sua volta, e um bebê a caminho, Katy Perry chamou atenção novamente com o lead singleDaisies, do seu próximo álbum que tem previsão de lançamento no final de agosto. Com isso, que tal recordar um de seus álbuns mais bonitos e de amadurecimento da artista, comparado aos trabalhos anteriores em One of the Boys e Teenage Dream, que apresentam músicas mais juvenis?

Prism, o terceiro álbum de estúdio da cantora, confirmou sua posição como uma das artistas mais queridas e talentosas da atualidade, mostrando composições grandiosas e sua evolução na indústria fonográfica.

Prism, de Katy Perry
Prism, de Katy Perry — uma lembrança de sua evolução. | Foto: Reprodução.

Faixa a faixa do álbum Prism, de Katy Perry

Roar

Abrindo o álbum com uma música do pop já formulada, e que dá certo com sua batida empolgante e letra motivacional, se reerguendo de um momento difícil, como o término do casamento com Russell Brand (que será bastante citado ao longo do álbum). Seu último refrão possui uma “ponte” musical no final que cria animação e é envolvente.

Legendary Lovers

Traz uma inovação na zona de conforto da artista, tanto em sonoridade quanto em instrumentalidade, e um acerto na batida com uma mistura de pop e um fundo que lembra a cultura árabe.

Birthday

Talvez a música mais genérica e industrializada do álbum, mas um pop comerciável que ainda funciona, apesar da batida já datada. Pode se tornar uma música enjoativa, mas a melhor parte é a construção final para o último refrão, uma coisa que Perry sabe fazer bem.

Walking On Air

Um electro pop no estilo dance music, lembra batidas do pop dos séculos 80-90, com forte influência em artistas como Whitney Houston. Possui escaladas fortes e empolgantes que levam ao refrão, junto a um coro de fundo que anima a canção.

Unconditionally

A primeira balada romântica do CD, e a melhor música para mim. Unconditionally traz uma construção crescente com uma música que começa em um tom mais suave, para, no refrão, explodir lindamente a um amor incondicional declarado por Katy a alguém.

O uso de instrumentos novos, como os tambores, exercem uma potência grandiosa para uma letra simplista e de peso para a carreira da cantora.

Dark Horse (com Juicy J)

Outra batida um pouco mais diferente do feitio da artista, um estilo meio egípcio, como a própria letra propõe. Sua crescente sonorização é algo inesperado e super envolvente, um verdadeiro hit! O rapper não acrescenta nada de novo na canção, mas adiciona um estilo hip hop para o single.

This Is How We Do

Com um refrão fácil de prender, a música tem um estilo de karaokê (como é citado na letra) e que traz um hip hop com eletrônico. Um pop para final de festa e diversos comentários de Katy durante a canção, como uma conversa no meio de seu show.

International Smile

Lembra o pop mais chiclete e generalizado do Teenage Dream (assim como Birthday). Bem colorido e animado, com uma vibe otimista e sorridente, como a letra propõe e, de praxe, ainda tem uma referência ao Rio de Janeiro.

Ghost

Aqui começa uma parte mais intimista e espiritual do álbum, que aparenta um confessionário de Perry aos fãs. Mais como um desabafo, novamente para o ex-marido, Ghost funciona bem para introduzir as próximas faixas.

Love Me

Mesma pegada lírica para esse lado mais sensível e sentimentalista da artista, Perry manda uma mensagem de amor próprio antes de qualquer coisa. Uma baladinha romântica (dessa vez consigo mesma) e que aparenta reciclar o estilo já ouvido na faixa anterior.

This Moment

Outra música com batida que remete aos anos 90 presente no começo da faixa, mas acaba virando mais um pop pessoal sobre vivenciar cada momento com a incerteza do amanhã.

Double Rainbow

A baladinha que tem a cara do conceito que o álbum entrega: um arco-íris duplo e um prisma. Talvez nessa altura do álbum, alguns ouvintes já se sintam cansados da sonoridade semelhante nessa “segunda parte” da obra, porém é uma afinidade necessária com a artista, passando outra faceta de sua vida.

By the Grace of God

O grande final, com certeza uma música que surpreende com sua honestidade e seu tema principal: a depressão. Perry descreve sua fragilidade emocional e reconstrução pessoal, principalmente após o divórcio com Russell Brand, com essa canção bem emocionante para o desfecho do álbum.

Portanto, Prism pode se tornar meio repetitivo no fim, ou soar mais do mesmo em algumas faixas. Porém, para o bom ouvinte, o que Katy Perry traz em seu álbum mais pessoal é uma transição de seu lado obscuro (coisa que ela havia prometido na época de seu lançamento) para um feixe de onde brilham todas as suas cores, no mesmo estilo de um prisma.

______________________________
Por Niara Viana de Brito – Fala! PUC

Tags mais acessadas