Menu & Busca
Poema: Carne

Poema: Carne


Obrigada,
Acorrentada e escrava da lavoura.
Ainda hoje, ao pensar em mim,
Já querem me estender a vassoura.
 
Em meu lombo,
Chicoteiam sobre a pele bronzeada.
Mulher e negra.
Essa, não deve significar nada.
 
Dizem que minha voz,
De preta, não deve ser ouvida.
Mas quando chega o carnaval:
“Olha lá a preta gostosa na avenida”.
 
Os tempos mudaram e
Minha ascensão machuca.
Carrego em minhas veias
A essência negra e mameluca.
 
E viver sob olhares tortos,
É o meu fardo
Pois, carrego a injustiça
De ser considerada
A carne mais barata do mercado.
poema
Poema: Carne

______________
Por Vitória Pires – Fala!Cásper

Quer se tornar um colaborar e escrever para o fala?
Saiba como

0 Comentários

Tags mais acessadas