Opinião: Jair Paraguaçu
Menu & Busca
Opinião: Jair Paraguaçu

Opinião: Jair Paraguaçu

Home > Notícias > Política > Opinião: Jair Paraguaçu

Ataques à liberdade de imprensa fazem parte do “arcabouço” teórico de Jair Messias Bolsonaro. Desde assédios contra profissionais da área, como foi o caso de Patrícia Campos Mello, até a vontade de socar o rosto de um jornalista no exercício de sua função. Questionado sobre os depósitos inexplicáveis que sua esposa, Michelle Bolsonaro, teria recebido de Fabrício Queiroz e Márcia Oliveira de Aguiar, Bolsonaro respondeu:

Minha vontade é encher tua boca na porrada

Jair Messias Bolsonaro.
Jair Bolsonaro
Jair Bolsonaro. | Foto: Reprodução.

“Jair Paraguaçu”

Sem sair do lugar, Jair foi transportado para Sucupira, cidade fictícia criada por Dias Gomes, na peça O Bem-Amado. Deixava de ser presidente para tornar-se  prefeito. Seu novo nome seria Odorico Paraguaçu, um político oportunista em busca de um cadáver para conseguir inaugurar um cemitério que dilapidou as finanças do município.

Odorico, assim como Bolsonaro, também tinha muitos problemas com a imprensa, representada na figura de Neco Pedreira. A situação chegou a tal absurdo, que o prefeito nomeou o assassino Zeca Diabo para o posto de delegado, a fim de resolver seus dois problemas: um cemitério vazio e um jornalismo crítico. A meta de Odorico era acabar com o jornalismo que apontasse erros em sua administração, a de Bolsonaro, não é diferente.

Separados pela ficção, os dois membros do executivo apresentam o que há de mais espúrio em nossa vida política. O prefeito de Sucupira não aceitava que a lei dissesse algo que ele não concordava, assim também age o presidente em suas pregações golpistas.

No entanto, existe uma diferença que separa os dois representantes do povo. Bolsonaro é real, Odorico não. Existir faz com que Bolsonaro tenha responsabilidades, ainda mais pelo cargo que ocupa.

A ameaça feita ao jornalista, para além de um fato isolado do presidente politicamente “incorreto”, torna legítima a agressão contra a imprensa. Afinal, quem se importa com um Odorico em Sucupira, o problema está quando ele chega em Brasília.

______________________________________
Por Matheus Alves – Fala! Colégio Pedro II – Graduação

Tags mais acessadas