Home / Colunas / Museu Nacional: o que se perdeu no incêndio

Museu Nacional: o que se perdeu no incêndio

Mais de 200 anos de histórias virando cinzas. Esta foi a notícia que chocou o país, ontem, dia 2 de setembro de 2018, devido ao incêndio de grandes proporções que tomou conta de todo o Museu Nacional Quinta da Boa Vista, em São Cristóvão, na Zona Norte do Rio de Janeiro.

Antiga residência de um rei e dois imperadores, começou a pegar fogo por volta das 19h30, e apenas teve controle pelos bombeiros na madrugada de segunda-feira.

Não há feridos, segundo a assessoria de imprensa do museu e o Corpo de Bombeiros. Apenas quatro vigilantes estavam no local, mas eles conseguiram sair a tempo.

As causas do fogo serão investigadas. A Polícia Civil abriu inquérito e repassará o caso para que seja conduzido pela Delegacia de Repressão a Crimes de Meio Ambiente e Patrimônio Histórico, da Polícia Federal, que irá apurar se o incêndio foi criminoso ou não. Mas, após todo esse desastre, o que perdemos, afinal?

O Fóssil humano mais antigo do Brasil: Luzia

Um dos fósseis humanos mais antigos do mundo se perdeu no incêndio.

Estrutura acadêmica da UFRJ, criada por D. João VI, em 1818

Ficava no Palácio de onde vivia a família Imperial, no Brasil.

Meteorito Bendegó

O maior meteorito já encontrado no Brasil

Gravador primitivo de Thomas Edson

Fabricado pela companhia de Thomas Edson e utilizado por Roquete Pinto, que fez várias gravações de cantos e cerimônias indígenas.

Enorme acervo de animais empalhados

Tanto da fauna brasileira como de outros países, inclusive tigre e elefante.

Esqueletos de dinossauros

Diferentes espécies, de inúmeras épocas

Índios e Diferentes Civilizações em Exibição

Falta de verba e reforma

Apesar de sua importância histórica, o Museu Nacional também foi afetado pela crise financeira da UFRJ e está há pelo menos três anos funcionando com orçamento reduzido, segundo reportagem deste ano.

A situação chegou ao ponto de o museu anunciar uma “vaquinha virtual” para arrecadar recursos junto ao público.para reabrir a sala mais importante do acervo, onde fica a instalação do dinossauro Dino Prata. A meta era chegar a R$ 100 mil.

Confira também

Os piores lutadores da história do UFC

Muitos lutadores buscam a vida inteira disputar o UFC, por ser o maior campeonato de ...

7 Coment.

  1. BANDO DE PILANTRA…VÃO AGORA DIZER QUE FOI CULPA DO GOVERNO…CHOREM NÃO, O CULPADO SÃO TODOS VCS OS INTELIGENTES DE M…POIS ESTAMOS EM 2018 ERA PRA TUDO TÁ GUARDADO EM UMA SALA ESPECIAL E NO MUSEU APENAS EM FORMA DE IMAGENS EM 3D. MEU DEUS ATÉ EU QUE SOU BURRO SEI DISSO.

    • Andrei da Costa Rodrigues

      Imagem em 3d????? Tá de brincadeira?a visitação ao museu é o que tem de mais importante no desenvolvimento humano, ver em loco, conhecer a história, uma tradição do museu mais popular do Brasil, com fácil acesso as pessoas de baixa renda, colégios públicos etc…o certo era não ter gasto tanto dinheiro com estádios de futebol que hoje são elefantes brancos, tinham que ter transformado esse museu de exemplo para o mundo, não concordo com o que vc falou sobre arquivo em 3D.

      • ok. Mas não precisava deixar TODO o acervo em exposição, muito menos armazenar objetos raros e únicos em uma estrutura de MADEIRA, sem nenhum recurso contra a tragédia que aconteceu. A lista dos culpados é grande. A lista dos elefantes brancos construídos só para político enriquecer, nem se fala. No Rio, de museu relevante, agora só o Museu do Amanhã, por que o do passado, já era.

    • você que é burro é só mais um burro e vai continuar sendo burro.

  2. Mizue Kirizawa

    Tristeza foi ver ontem o fogo consumindo o Museu Nacional, contendo coleções históricas; e, revolta, por não ter sido atendido o pedido de auxílio solicitado há mais de 4 anos para a modernização do Museu. Dinheiro para propina tinha, mas para a cultura, educação e saúde não.

  3. Dr. CuCa Beludo

    Agora vocês votem de novo no Lula que ele vai investir mais em estádios de futebol ou então em exposições como o QuerMuseu, povo ameba.

  4. Lista dos Responsáveis pela Manutenção e Suporte ao Museu Nacional:
    Reitor; ROBERTO LEHER – filiado ao Psol
    Vice-Reitora DENISE FERNANDES LOPEZ – filiada ao Psol
    Pró-Reitor de Graduação; EDUARDO GONÇALVEZ – filiado ao PCB
    Pró-Reitor de Planejamento, Desenvolvimento e Finanças; ROBERTO ANTÔNIO GAMBINE MOREIRA – filiado ao PC do B
    Pró-Reitora de Extensão; MARIA MELLO DE MALTA – filiada ao Psol
    Pró-Reitor de Pessoal; AGNALDO FERNANDES – filiado ao Psol
    Decano do CCJE; VITOR MÁRIO IORIO – filiado ao Psol

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *