Memória de São Bernardo de Claraval: 20 de agosto
Menu & Busca
Memória de São Bernardo de Claraval: 20 de agosto

Memória de São Bernardo de Claraval: 20 de agosto

Home > Entretenimento > Cultura > Memória de São Bernardo de Claraval: 20 de agosto

São Bernardo de Claraval foi um grande expoente da teologia mística, sendo considerado um notável doutor e abade da Igreja Católica. Nascido em 1090, no Castelo de Fontaine, em Borgonha, Bernardo era proveniente de uma família nobre. Ainda jovem, decidiu seguir os preceitos da vida monástica, nutrindo grande apreciação pelos preceitos da piedade prática. Aos nove anos, iniciou seus estudos na Escola Canônica de Châtillon-sur-Seine.

Após um curto período de estudos na instituição de ensino canônica, ingressou na Abadia de Cister, cujos preceitos fundamentavam-se na tão aclamada Regra de São Bento e na Reforma de Cluny. Influenciou vários de seus amigos e familiares para ingressarem na vida monástica. Em função de sua intensa e eminente atividade religiosa, Bernardo foi encarregado para liderar um projeto de expansão da ordem cisterciense, fundando uma casa monástica em Ville-sur-la-Ferté. A casa recebeu o título de “Claraval”, daí o nome do santo em questão ter se popularizado como “Bernardo de Claraval”.

São Bernardo de Claraval
São Bernardo de Claraval. | Foto: Reprodução.

São Bernardo de Claraval

São Bernardo foi reconhecido pelos seus esforços apologéticos e pela defesa dos direitos da Igreja, combatendo com veemência os ideais de Pedro Abelardo e os pensamentos em ascensão de oposição aos dogmas elementares da cristandade. Bernardo frisou a eminência dos estudos cristológicos, ressaltando a necessidade da encarnação e da obra de Cristo para a salvação do gênero humano.

Além de apologeta, o santo exerceu importante papel como diplomata; conselheiro de reis, Papas, bispos e de outras autoridades políticas. Foi um notável defensor da Ordem dos Cavaleiros templários durante o período das cruzadas. Foi chamado pelo papa Pio XII como “o último dos Padres da Igreja, e não o menor”.

De Claraval, Bernardo expandia a sua luz sobre toda a cristandade. Embora frágil e nunca em ótima saúde, percorreu meia Europa, orientou concílios, pregou uma cruzada à Terra Santa. E depois de laboriosas jornadas, retirava-se à cela para escrever obras cheias de otimismo e de doçura, como o Tratado do amor de Deus e o Comentário ao Cântico dos cânticos que é declaração de amor a Maria, pela qual tornou-se até autor e compositor, compondo palavras e música, do belíssimo hino Ave Maris Stella.[1]

Lições do doutor e abade da Igreja Católica

  1. “Coloquemo-nos, irmãos, como sentinela, porque a vida presente é tempo de luta.”;
  2. “A causa para amar a Deus é o próprio Deus; a medida, amá-lo sem medida.”;
  3. “Mas a alma do crente almeja e suspira por Deus; ela descansa suavemente na contemplação dEle. Ela gloria-se ao se aproximar da Cruz, até que a glória do Seu rosto seja revelada. Assim como a noiva, a pomba de Cristo, que é coberta com asas de prata, branca em inocência e pureza, ela repousa no pensamento de Tua abundante ternura, Senhor Jesus”;
  4. “Aquele que louva ao Senhor, não porque ele é bom para si, mas simplesmente porque ele é bom, ama verdadeiramente a Deus por Deus, e não por si. O terceiro grau do amor é, então, amar a Deus por ele mesmo”;
  5. “Não importa o que tenhamos, o desejo do que ainda não temos não diminui, e é sempre por aquilo que nos falta que mais suspiramos. O que ocorre? É que nosso coração, cedendo aos vícios e aos encantos mundanos, fadiga-se inutilmente em sua corrida e nunca chega a se satisfazer (…) em todos esses desvios se perderam os ímpios (…) consomem-se em esforços vãos e não chegam a consumação feliz”;
  6. “Devemos evitar cuidadosamente a ignorância de nos glorificarmos com o que é inferior. Mas evitamos com cuidado ainda maior esta outra ignorância de atribuir a nós mesmos mais do que merecemos, como ocorre quando cometemos o engano de nos imputar o bem, qualquer que seja, que vemos em nós (…) nos glorificamos do bem que está em nós, como se ele viesse de nós, sem temor de roubar de outro a glória indevida”.

Referências complementares:

  • CLARAVAL, São Bernardo de. Tratado sobre o Amor de Deus. São Paulo: Editora Paulus, 2015.
  • CLARAVAL, São Bernardo de. As Heresias de Pedro Abelardo. Editora É realizações, 2017.
  • GILSO, Étienne. A teologia mística de São Bernardo. São Paulo: Editora Paulus, 2016.

[1] Disponível em: https://www.paulus.com.br/portal/santo/sao-bernardo-abade-e-doutor-da-igreja/#.XzyOAehKhPY. Sgarbossa, Mario. Um Santo para cada dia. São Paulo: Paulus, 1983.

________________________________
Por Leonardo Leite – Reaviva Mack – Universidade Presbiteriana Mackenzie

Tags mais acessadas