Cadastre-se e tenha acesso a conteúdos exclusivos!
Quero me cadastrar!
Menu & Busca
Resenha: O Mágico de OZ

Resenha: O Mágico de OZ

Por Illan Lima, Giovanna Carvalho e Vinicius Sarcetta – Fala!FIAMFAAM

“O Mágico de Oz”,  obra de Lyman Frank Baum de 1900, é um clássico infantil que nos últimos 4 anos vendeu no Brasil cerca de 3 milhões de exemplares. Dirigido por Billy Bond, o musical baseado no livro está em cartaz no Teatro Bradesco, localizado no Shopping Bourbon, em São Paulo. A peça conta com 32 atores, 22 canções e com muita tecnologia para alegrar o público. O espetáculo vai até o dia 20 de maio, e os preços variam de 50 até 150 reais.

Dorothy, uma menina que mora com os tios na cidade do Kansas, é levada com seu cachorrinho Totó por um furacão a terra de “Oz”. Chegando lá, encontra a princesa Glinda, a bruxa boa do Sul, que explica a Dorothy que ela precisa encontrar o Mágico, na “Cidade das Esmeraldas”, pela estrada de tijolos amarelos. Lá, o feiticeiro diz que, para voltar pra casa, Dorothy haveria de derrotar a bruxa má do Oeste. E aí a aventura começa.

[read more=”Leia Mais” less=””]

Dorothy encontra seu primeiro amigo num milharal: o Espantalho. No decorrer das cenas, o Espantalho diz que sonha em ter cérebro, para que pudesse ajudá-la adiante. No caminho, eles sentem fome, e o que encontram são macieiras, e com isso, o segundo amigo a aparecer é o Homem de Lata – que sonha em ter um coração.

Pela estrada, se deparam com o bosque fechado de árvores altas, e um grande Leão aparece. O medo toma conta do grupo quando o felino ameaça atacar, mas a menina consegue convencer o animal a não feri-los e o convida para essa aventura. O Leão a princípio recusa, pois tinha medo, e foi aí que contou o seu sonho: ter coragem.

Dorothy e seus novos amigos seguem a jornada em busca do grande mágico, mas são perseguidos pela bruxa má do oeste, que tinha uma doentia obsessão pelos sapatos vermelhos e buscava vingança pela morte da irmã, a bruxa má. Será que eles vão conseguir chegar ao grande Mágico e realizar os seus sonhos? Dorothy vai poder voltar pro Kansas? Você não pode perder o grande final dessa história.

O espetáculo conta com varias músicas – uma das principais é a linda “Além do Arco Íris”, regida por uma orquestra em baixo do palco — mudanças de cenários, o uso de luzes leds, telões para transpor a realidade e cenas com interações com a plateia, ainda mais com quem está sentando lá na frente – pudemos sentir o furacão, a chuva em forma bolinha, a neve e o fogo. Mesmo o público adulto ficou inteiramente magnificado com a história em sensação de 4D.

O espetáculo encanta adultos e crianças. Uma telespectadora disse que adorou a peça e recomenda muito para as pessoas verem o musical. Vale muito a pena assistir, é uma ótima programação familiar, muito emocionante, o final é surpreendente, e no transcorrer do musical as pessoas tem uma sensação de estar de fato dentro da história.

[/read]

Confira também:

– O Mercado de Trabalho Artístico no Brasil

– Resenha: A Pequena Sereia, O Musical


2 Comentários

  1. 1 ano ago

    Essa é uma obra universal, que mostra as relações humanas, dando valor a cada um dos personagens que se extrapolam para a vida real de cada um quanto a seus sonhos ….

  2. 1 ano ago

    Essa é uma obra que se tornou universal, pois ela retrata as relações humanas no seu mais íntimo, dando valor a cada um dos personagens que se extrapolam a vida real de cada um quanto a seus sonhos…

Tags mais acessadas