Cadastre-se e tenha acesso a conteúdos exclusivos!
Quero me cadastrar!
Menu & Busca
Luciano Abe: de vestibulando de medicina para jornalista de sucesso

Luciano Abe: de vestibulando de medicina para jornalista de sucesso

Conheça a trajetória do jovem que desistiu de uma promissora carreira de médico e decidiu se aventurar nos desafios do jornalismo


Rafaele Rocha Oliveira – FALA!PUC

Já dizia o grande autor Dale Carnegie: “Sucesso é conseguir o que você quer. Felicidade é gostar do que você conseguiu.” Nunca uma frase faria tanto sentido, como essa, para Luciano Abe. Hoje jornalista profissional diplomado e grande entusiasta da profissão, fez anos de cursinho com a intenção de entrar na faculdade de medicina. Mas como ele mesmo diz, algumas decisões são inexplicáveis, e ao atingir a nota para medicina, decidiu que seria no jornalismo onde encontraria verdadeira felicidade e sucesso. E não poderia estar mais certo.

Desafios motivaram Luciano Abe desde o começo de sua carreira acadêmica. O estímulo para escrever, fotografar e filmar vinha dos desafios. Ele desejava entrar na matéria, se conectar à história. E assim o fez. Em 2004, estudante de jornalismo na Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP), Luciano sempre procurou inovar em seus trabalhos acadêmicos. Essa ânsia pelo desafiador o levou a conhecer um grupo de alcoólicos anônimos e escrever a sua primeira matéria na universidade: “Uma dose de esperança”. Sua escrita diferente e ousada despertou o interesse dos seus mestres, que o apoiaram e incentivaram a tão logo começar a sua iniciação científica, que durou 4 anos e acabou resultando em uma menção honrosa no 16º Encontro de Iniciação Científica da PUC-SP, pela pesquisa “Gênero, Religião e Política: Cultura de direitos, cidadania das mulheres e a Igreja Católica no Brasil. 2006.” Foi também integrante do grupo de pesquisas em Gênero, Religião e Política (GREPO), certificado pela PUC-SP/CNPq, em 2008, ano de sua formação.

Luciano Abe, de vestibulando de medicina para jornalista de sucesso.

Como não era permitido ser bolsista e fazer estágio ao mesmo tempo, o seu foco durante os 4 anos da graduação era totalmente dedicado às aulas. Foi o editor das revistas e jornais elaborados nas aulas do curso matutino de jornalismo e também investiu na sua formação como fotógrafo e videorrepórter. Em seu trabalho de conclusão de curso (TCC), junto a um colega, produziu um documentário em longa-metragem sobre o MMA (ou Vale-Tudo), “Irmãos de Ringue”, que foi realizado em 9 cidades brasileiras e que recebeu nota 10 com louvor.

Luciano Abe, de vestibulando de medicina para jornalista de sucesso.

Ao terminar o curso de jornalismo, Luciano foi convidado para ser bolsista na Academia Internacional de Cinema. Produzir curtas de ficção foi mais um desafio, desta vez totalmente diferente. No momento em que apareciam alguns bons projetos de fotografia e cinema, Abe fica sabendo que tinha passado no 51º programa de treinamento em jornalismo diário multimídia da Folha de S. Paulo. Passando para trás 5 mil candidatos ao concorrido programa, teve a oportunidade junto com mais 11 “sortudos”, de trabalhar como trainee em um dos jornais mais influentes do Brasil. Logo em seguida, foi chamado para ser videorrepórter da TV Folha (Folha de S.Paulo), onde fez muitas videorreportagens curiosas, tais como “População de urubus cresce e adota Ibirapuera como habitat” e “Surdos ‘sentem a música’ e vão à escola aprender a ser DJs”. Essas videorreportagens tinham que ser produzidas em tempo recorde, muitas delas sendo gravadas e renderizadas simultaneamente. Mas a correria não era problema para Luciano, que sempre gostou de desafios. Em pouco tempo foi convidado para dar aulas de videorreportagem, fotografia, edição e técnicas de entrevistas na Folha.

Em 2012 realizou um trabalho extraordinário para a empresa Star Alliance, quando em parceria com o jornalista José Ramalho, fez uma viagem de volta ao mundo passando pelas sete maravilhas do mundo moderno. Teve a oportunidade de filmar alguns dos lugares mais bonitos do planeta, a exemplo do Taj Mahal, na Índia. As imagens fizeram parte de um documentário.

Luciano Abe, de vestibulando de medicina para jornalista de sucesso.

Hoje Luciano Abe é editor-chefe do eunemsabia.com.br, um blog com conteúdo divertido sobre o aprendizado cotidiano, também é mestre em Comunicação e Semiótica pela PUC-SP, professor de videorreportagem da Folha de S.Paulo e ministra aulas particulares de documentário, videorreportagem, fotografia e edição. Em suas raras horas livres, podemos vê-lo palestrando para jovens estudantes de jornalismo, que sonham um dia também poder citar Carnegie: “Felicidade é gostar do que você conseguiu.”

0 Comentários

Tags mais acessadas