Cadastre-se e tenha acesso a conteúdos exclusivos!
Quero me cadastrar!
Menu & Busca
Koki e Pajarín Saveendra – um papo com bailarinos argentinos

Koki e Pajarín Saveendra – um papo com bailarinos argentinos

Por Raquel Cintra Pryzant – Fala!MACK

Koki inspirou fundo lentamente e expirou de uma só vez rindo: “Nós não decidimos vir ao mundo, só estamos.”

Ele e Pajarín nasceram em uma província ao norte da Argentina chamada Santiago del Estero. Expressões folclóricas e culturais e instrumentos como o bombo são originais de lá. Os irmãos cresceram em uma família de bailarinos em que era permitido e natural expressar seus sentimentos. Hoje, moram em Buenos Aires e vivem a maior parte de seus dias ensinando danças e se apresentando pelo mundo. Nada disso estava escrito.

Koki (esquerda) e Pajarín ( direita)

[read more=”Leia Mais” less=””]

Koki lembra de uma mania comum entre as professoras do primário de perguntar o que fazem os pais de seus alunos. O exato momento em que a palavra bailarino saía de suas gargantas era marcado pela risada das outras crianças. Tal som era esperado para se juntar a outros tantos que fizeram parte da criação de seus movimentos.

A dança nasceu com eles, junto com suas colunas, mas a música foi um presente.

Em uma tarde ensolarada de um 6 de janeiro em Santiago, enquanto as outras crianças ganhavam doces dos reis magos, Koki e Pajarín ganharam uma guitarra e um bombo embaixo da sombra de uma alfarrobeira.

Koki  e Pajarín Saveendra demonstrando dança argentina

Outra lembrança da incorporação da música se passa em uma festa de carnaval colorida da região. Entre jogos, brincadeiras e auto-falantes gigantes, o pequeno Koki e o pequeno Pajarín experienciaram o significado de pura felicidade.

Na casa de sua abuela as portas ficavam abertas e se dormia sem medo. Nunca acontecia nada. Só teve uma noite, uma só vez, que um bêbado entrou na sala. Mas ninguém se assustou pois se tratava do bêbado conhecido da cidade. Pajarín lembra da cena, seu tio o chamou pelo nome e pediu que saísse com naturalidade.

A mudança geográfica marcou também a vida adulta. A sensação é de que em Santiago tudo estava solucionado enquanto em Buenos Aires tudo precisava ser resolvido. Assim começam a trabalhar juntos. Como coreógrafos, cantores e músicos. A convivência dos irmãos não é o paraíso nem o inferno, mas como os momentos de harmonia prevalecem, a sociedade é possível.

Para Pajarín talvez seja essa ligação de sangue, “simbiótica” que alimenta o ritmo da criação artística de ambos.

Suas apresentações são resultado de uma liberdade acompanhada. Essa liberdade, que nasce com o ser humano, só pode ser sentida quando os limites naturalmente impostos são rompidos. Assim que o equilíbrio se encontra no ritmo entre a ordem e a desordem.

A ordem toma forma de cuidado, quando um músico que carrega seu bombo preserva seu tom e um bailarino carrega seu corpo como único instrumento. Este cuidado elementar do bailarino deve se dar em todos os sentidos, uma vez que a expressão verdadeira é tirada de nossa vida interna.

Confira outras crônicas no blog SOLA NO MUNDO.

[/read]

Confira também:

– Dia do Índio: Karoro, o Kayapó que fala português

Dia do Índio – Refletir ou Comemorar?

0 Comentários

Tags mais acessadas