Cadastre-se e tenha acesso a conteúdos exclusivos!
Quero me cadastrar!
Menu & Busca
Independência financeira: entrevista com uma fotógrafa de apenas 16 anos

Independência financeira: entrevista com uma fotógrafa de apenas 16 anos

Por Giovana Macedo – Fala!PUC


Fotógrafa com apenas 16 anos, Victória já realizou em média 184 ensaios profissionais.

A fotógrafa Victória Padilha

Não é incomum o fato de que os jovens da atualidade estão cada vez mais empenhados em independizar-se financeiramente, seja por questões financeiras extremamente necessárias ou apenas para ter um dinheiro extra. No entanto, nem sempre ocorre de forma planejada. Motivada tanto pela mãe quanto pelo pai, cujas profissões estão ligadas à fotografia, Victória Padilha seguiu os passos de seus progenitores e hoje, com apenas 16 anos, já possui quase 200 ensaios realizados. Nascida e criada em Promissão (SP), Victória realiza ensaios de aniversário, casamento, casuais e tira fotos para marcas e entre outros. Ela afirma que, no começo, não teve um preparo específico e tampouco a intenção de lucrar com suas fotos, que até então, eram apenas como forma de entretenimento. A partir disso, aos poucos foi percebendo que era boa no que fazia e interessou-se ainda mais pela área, dedicando seu tempo a aprofundar-se no assunto com a ajuda de seu pai, que lhe ensinou técnicas e maneiras de usar uma máquina profissional.

Foto por Victória Padilha

Conforme foi desenvolvendo sua especialização, conhecidos e amigos começaram a demonstrar grande interesse por suas fotos e, com isso, viu a oportunidade de poder faturar. Percebeu de fato que essa ideia poderia funcionar quando, ao anunciar em suas redes sociais que faria ensaios fotográficos, obteve uma alta demanda do público. Desse modo, iniciou seu primeiro trabalho profissional aos 14 anos e assim, foi destacando-se entre os fotógrafos de sua cidade.

[read more=”Leia Mais” less=””]

Ao ser questionada sobre o que viria a ser essencial para poder trabalhar com fotografia, respondeu que era necessário ter paciência. “Trabalhar com pessoas exige uma certa paciência. Você não está trabalhando para um animal. Não adianta você só ter uma câmera e saber mexer no photoshop. Você tem que saber conversar com as pessoas, saber agir com elas”. Consequentemente, Victória disse que não é tão simples lidar com as pessoas, uma vez que assinado o contrato, não há como saber se os clientes serão éticos, flexíveis, respeitosos, educados e assim por diante. “Não se pode dizer que apenas por antipatia, não se irá aceitar trabalhar para o sujeito. Temos que encarar isso e relevar”.

Foto por Victória Padilha

Ademais, Victória adiciona que por conta disso, às vezes passa inconvenientes com seus contratantes. No entanto, afirma estar muito acostumada a sofrer esse tipo de situação, exemplo disso foi um caso em novembro em que houve falta de educação e uma dívida por parte de um cliente, o que de certa forma a deixou bem abalada. “Eu sou uma profissional muito humana, sempre quero fazer o melhor para as pessoas. Não apenas no sentido profissional. Com isso, às vezes acabo me prejudicando”.  

Foto por Victória Padilha

Por motivos como pressão e estresse, ela decidiu não fazer grandes ensaios por um certo período a fim de reservar um tempo para si. “Não adianta você fazer algo que gosta estando emocionalmente mal”. Além disso, relata uma situação recente em que um outro fotógrafo de sua cidade danificou sua imagem. “Eu sempre me virei sozinha. Emprestei equipamento a ele e ele também me ajudava, me oferecia trabalhos”, diz a profissional. A inconveniência, segundo Victória, foi o fotógrafo ter dito às pessoas que ela era, na verdade, a sua assistente, pegando os seus clientes para atender. Nesse sentido, ao ser questionada se consideraria essa situação um caso de machismo, como muitos poderiam interpretar, a profissional disse que “Não acredito que essa foi a questão. Acredito que foi mais uma questão de profissionalismo. Para mim ele não foi humano”.

Contudo, a fotógrafa diz que considera tudo o que aconteceu e fez até hoje, desde conhecer diversos tipos de lentes até fazer alterações no photoshop, como um grande aprendizado. Nessa perspectiva, Victória diz que quer descobrir como agir melhor com as pessoas e como não se deixar abalar por julgamentos alheios. Conclui-se a partir de sua perspectiva que a fotografia não é um trabalho simples e banal, como muitos costumam dizer; necessita-se estudo, paciência, dedicação e, acima de tudo, humanidade.

Victória possui sites onde expõe suas fotos e divulga ensaios com promoções. Clique no link para conferir:
Tumblr | Facebook

 [/read]

Confira também:

– Álbum da Copa: Uma febre mundial fora das quatro linhas

– 8ª Mostra SP de Fotografia na Vila Madalena

0 Comentários