Home / Colunas / Cinema / 5 Filmes que Retratam Revoluções e Momentos Históricos

5 Filmes que Retratam Revoluções e Momentos Históricos

Por Matheus Menezes – Fala!Anhembi

A realidade sempre influenciou o cinema e a arte, e alguns filmes triunfaram ao utilizar períodos da nossa história para compor suas narrativas. Essas produções conseguiram proporcionar uma reflexão construtiva e promoveram debates que refletem até os dias atuais na nossa sociedade. Então aqui estão cinco filmes que retratam revoluções e momentos históricos.

GANDHI
Nacionalidade: Inglaterra/Índia
Data de lançamento: 1 de abril de 1983 (Brasil)
Direção: Richard Attenborough

Fonte: (Columbia Pictures/Divulgação)

Esse drama biográfico retrata a história de Mohandas Karamchand Gandhi, advogado e político indiano que liderou o processo de independência de seu país. O filme, de três horas de duração, consegue apresentar os principais marcos da vida de Mahatma Gandhi. A cena que abre o longa é a da morte de Gandhi, que foi assassinado a tiros por um fanático em 1948. Depois disso, a história retrocede alguns anos e passa a narrar seu início como advogado em 1893 na África do Sul (na época também colônia britânica). Ao presenciar na pele a discriminação racial, Gandhi decide começar um movimento não-violento contra a dominação imperialista britânica. A Índia, sua terra natal, havia sido colônia da Inglaterra por quase um século. Um dos desejos de Mahatma era ver uma sociedade indiana culturalmente e politicamente unida. Muitas cenas foram filmadas em locações históricas reais, como a cena do funeral, que aconteceu na Avenida Rajpath, em Deli, e contou com 400 mil figurantes. Ben Kingsley foi responsável por viver o líder pacifista. O ator se parecia tanto com Mahatma Gandhi que muitos moradores locais pensaram que fosse o próprio espírito de Gandhi. O filme venceu em oito categorias do Oscar, incluindo Melhor Filme e Melhor Ator.

OS MISERÁVEIS
Nacionalidade: Inglaterra
Data de lançamento: 1 de fevereiro de 2013 (Brasil)
Direção: Tom Hooper

Fonte: (Laurie Sparham/Universal Pictures)

O musical Os Miseráveis é um dos espetáculos teatrais mais bem sucedidos da história. Essa adaptação para a tela grande segue fielmente todas as canções inesquecíveis e o enredo clássico do livro de Victor Hugo. A história ocorre paralelamente à Revolução de Julho de 1830, na França, que resultou na abdicação do Rei Carlos X e no fim do período conhecido como Restauração Bourbon. O clima de revolução e a sordidez de Paris percorrem cada trecho do filme. Isso se expressa com mais profundida na trajetória da personagem Fantine (vivida por Anne Hathaway), que sofre uma injustiça e precisa se prostituir para sobreviver. A cena em que Fantine declama seu pedido de misericórdia através da música I Dreamed a Dream é um dos momentos mais enérgicos do cinema atual. Completam o elenco nomes de peso como Hugh Jackman, Russell Crowe, Amanda Seyfried, Helena Bonham Carter, Sacha Baron Cohen e Eddie Redmayne. Os Miseráveis levou três estatuetas do Oscar, incluindo a de Melhor Atriz para Anne Hathaway.

A FITA BRANCA
Nacionalidade: Áustria/Alemanha/França/Itália
Data de lançamento: 12 de fevereiro de 2010 (Brasil)
Direção: Michael Haneke

Fonte: (Sony Pictures Classics/Divulgação)

A Fita Branca não retrata diretamente nenhum processo de revolução. Ele é na verdade um estudo psicológico de uma nação. A trama narra uma série de acidentes misteriosos que perturbam a tranquilidade do pacato vilarejo de Eichwald, na Alemanha, em 1913. Esses acidentes exacerbam vários conflitos internos da própria comunidade e expõem os comportamentos cruéis e nocivos presentes intrinsicamente em todo ser humano. O filme conclui com o exato momento em que a população recebe a notícia do início da Primeira Guerra Mundial. Esse trecho é essencial para entender o argumento por trás do longa. A obra pode ser considerada uma pré-história do nazismo. As crueldades que se manifestam naquela sociedade seriam a raiz do mal, que crescem exponencialmente ao ponto de Hitler ser aceitado democraticamente como um líder na década de 30. Apesar de retratar uma fase específica de um país, a sua mensagem é válida universalmente. A Fita Branca ganhou o Oscar de Melhor Filme Estrangeiro e de Melhor Fotografia.

O LABIRINTO DO FAUNO
Nacionalidade: México/Espanha/EUA
Data de lançamento: 11 de outubro de 2006 / 1 de dezembro de 2006 (Brasil)
Direção: Guillermo del Toro

Fonte: (Teresa Isasi / Picturehouse)

Ofelia é uma jovem sonhadora que vive em um contexto de guerra. Ela viaja com a sua mãe ao norte da Espanha para um acampamento militar, onde seu padrasto – o amargo capitão Vidal – está instalado. O pano de fundo do filme é a Segunda Guerra Mundial e o período logo após a Guerra Civil Espanhola. Vidal é membro do exército fascista do General Francisco Franco, ex-presidente e ditador espanhol. Em meio a toda essa desgraça, Ofelia descobre um mundo fantástico com criaturas mágicas e assustadoras para onde ela consegue escapar, deixando para trás a realidade desumana e impiedosa que a cerca. O Labirinto do Filme recebeu três prêmios técnicos no Oscar.

CIDADE DE DEUS
Nacionalidade: Brasil/França
Data de lançamento: 30 de agosto de 2002
Direção: Fernando Meirelles e Kátia Lund

Fonte: (Globo Filmes/Divulgação)

Baseado em uma história real, expressa no livro de mesmo nome escrito por Paulo Lins, essa produção nacional descreve a ascensão do crime organizado na Cidade de Deus, bairro da zona oeste do Rio de Janeiro. O filme narra desde o processo de urbanização que se deu no local nos anos 1960 com a construção de conjuntos habitacionais, até vinte anos depois quando a comunidade precisava enfrentar a violência e o estigma de ter se tornado um dos bairros mais perigosos do Rio de Janeiro. Vários personagens participam da trama e possuem facetas que representam situações importantes para a memória da Cidade de Deus. Uma vez que o enredo se desenrola ao longo de vários anos, é interessante notar a mudança de perspectiva de cada geração, e como a criminalidade influencia essas decisões: a geração mais nova mantém menos vínculos sociais e possui menos apreço pela vida humana. A narrativa segue o ponto de vista de Buscapé (Alexandre Rodrigues), aspirante a fotógrafo que registra o cotidiano problemático da Cidade de Deus. Seu antagonista é Zé Pequeno (Leandro Firmino), um traficante de drogas sádico fruto da violência. Outra personagem protagonista é Mané Galinha (Seu Jorge), que evolui de homem integro para alguém que busca vingança. Completam o elenco Phellipe Haagensen, Matheus Nachtergaele e Alice Braga. Cidade de Deus concorreu a quatro categorias no Oscar.

Confira também

São Paulo: 40 anos do Centro Acadêmico Vladimir Herzog

A Entidade mais antiga da Faculdade Cásper Líbero recorda seus 40 anos de existência O ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *