Menu & Busca
O Filme da Minha Vida – confira a resenha

O Filme da Minha Vida – confira a resenha


Por Henrique Dentzien – Pipoca Amanteigada

 

Sinopse

O jovem Tony (Johnny Massaro) decide retornar a Remanso, Serra Gaúcha, sua cidade natal. Ao chegar, ele descobre que Nicolas (Vincent Cassel), seu pai, voltou para França alegando sentir falta dos amigos e do país de origem. Tony acaba tornando-se professor, e vê-se em meio aos conflitos e inexperiências juvenis.

Veredito

Com “O Filme da Minha Vida“, o ator e diretor Selton Mello apresenta um de seus mais tocantes trabalhos. A trama é sobre o processo de amadurecimento do jovem Tony, que vive só com sua mãe desde que seu pai deixou a cidade. E mesmo com sua profundidade emocional, não deixa de ser divertido também.

O foco do roteiro está nas relações desenvolvidas entre o protagonista com diferentes personagens. A prostituta Camélia (Martha Nowill), as irmãs Luna (Bruna Linzmeyer) e Petra (Bia Arantes), pelas quais Tony se apaixona, Paco, que por um tempo parece ser uma espécie de nova figura paterna, interpretado pelo próprio Selton Mello, e principalmente: com seu pai, Nicolas, encenado pelo ator francês Vincent Cassel, que recentemente se mudou para o Brasil (perfeito para o papel de um europeu voltando a seu país de origem, não?). O enredo se inicia como um drama sobre os sentimentos de um jovem em relação a um pai que o abandonou, e depois mostra-se a história de um garoto se tornando um homem. Enquanto Tony aparece em quase todas as cenas, ele começa silencioso e quase melancólico, mas aos poucos ganha iniciativa e se transforma em alguém independente, confiante, maduro.

O longa é feito, em grande parte, sob a perspectiva do personagem central. A fotografia e a trilha sonora, assim, nos ajudam a captar suas emoções. A atuação de Johnny Massaro também faz um bom trabalho nesse ponto. Em determinados momentos, a câmera intercala entre imagens vistas por Tony e seus rosto, com lentas mudanças de expressões faciais que revelam suas reações. Em uma das melhores cenas, ele observa as garotas dançarem uma apresentação ao som de “Habanera”, famosa faixa de ópera, e sua atenção é voltada para Petra e Luna. Ele sorri lentamente, e parece flutuar na direção delas. As sensações do protagonista ficam claras sem o uso de nenhuma palavra, apenas com imagens e sons, e aí reside grande parte da beleza do filme.

Também é importante ressaltar que a sentimentalidade é feita na medida certa. O filme é um drama? Sim, mas não te sufoca na dramaticidade. As interações de Tony com Luna e Petra são feitas da perspectiva da paixão juvenil, de alguém que está se descobrindo e iniciando relacionamentos, mas não são exageradamente românticas ou melosas. E ainda há trechos de alívio cômico, envolvendo diálogos com Paco e o menino Augusto (João Pedro Prates),  irmão mais novo das duas moças e aluno do Tony. Além de ter importância na história, este proporciona momentos divertidos e bem humorados.

E ainda há como ponto forte a trilha sonora. Além de “Habanera”, ainda há uma mescla de músicas nacionais como “Coração de Papel” (Sérgio Reis), e internacionais como “The House of The Rising Sun” (The Animals), todas combinando e reforçando a atmosfera do longa. O Filme da Minha Vida é uma bela obra, com qual muitos jovens podem se identificar. Muito recomendada para quem gosta de um bom drama, mas sem melancolia.

 

Confira o trailer:

 

Confira também:

– 11 filmes que compõem a essência do cinema brasileiro

– Adoniran Barbosa, o eterno pai do samba paulista

Quer se tornar um colaborar e escrever para o fala?
Saiba como

0 Comentários

Tags mais acessadas