Fifa: Por que os jogos ficaram na mesmice? Entenda aqui
Menu & Busca
Fifa: Por que os jogos ficaram na mesmice? Entenda aqui

Fifa: Por que os jogos ficaram na mesmice? Entenda aqui

Home > Entretenimento > Geek > Fifa: Por que os jogos ficaram na mesmice? Entenda aqui

Todos os anos, a empresa de jogos eletrônicos EA (Electronic Arts Inc.) lança uma edição do Fifa, o  principal game de futebol do mundo. Entretanto, as últimas edições têm sido marcadas pela mesmice, com poucas alterações nos modos do jogo, influenciando negativamente a experiência do fã.

Além disso, o aumento constante do preço por um game que acaba não atendendo à demanda faz com que a EA seja bastante criticada por seu público. Entre os diversos problemas, podemos identificar como os principais: o handicap, o descaso com os fãs da antiga geração, as dificuldades no licenciamento e os gráficos.

FIFA
Logo da franquia. | Foto: Wikipédia.

Handicap

A presença do handicap é uma das reclamações mais recorrentes entre os jogadores de Fifa. Segundo eles, isso corresponde a um conjunto de variáveis implementado pela EA para tornar uma partida mais equilibrada, favorecendo o time mais fraco. No entanto, a forma como esse recurso é aplicado acaba deixando os fãs bastante irritados.

No momento em que o handicap começa a se manifestar, acontecem eventos incomuns quando comparados à realidade, como consecutivos erros de passe e domínio, sequências de finalizações na trave e incríveis defesas do goleiro adversário, grandes atletas, como Messi e Cristiano Ronaldo, perdendo gols fáceis, falhas dos zagueiros que resultam em gol, entre outros.

Os produtores do Fifa negam a existência do handicap, mas, todos os anos, fãs reclamam da existência de “algo estranho” em determinadas partidas do jogo. Assim, o entretenimento e diversão que o game busca proporcionar acaba sendo substituída pela irritação de grande parte de seu público.

Descaso com o público da antiga geração

Conforme os anos vão passando, as empresas produtoras de consoles lançam novos com recursos capazes de melhorar a experiência dos jogadores. Contudo, os aparelhos chegam ao mercado com preços bastante altos, de forma que muitos amantes de videogame optam por não comprá-los.

Neste cenário, a EA produz o Fifa tanto para os consoles da antiga quanto da nova geração. Todavia, a empresa aplica suas poucas alterações, que poderiam ser implementadas em ambas as gerações, apenas nos mais recentes.

Novidades como o modo “The Journey” e a Liga dos Campeões acabam se tornando um luxo exclusivo dos novos aparelhos, enquanto os antigos recebem o Fifa praticamente sem modificações. Dessa forma, as pessoas que possuem consoles da antiga geração e escolheram não comprar os recém-lançados são obrigados a adquiri-los para desfrutar de alguma novidade no game.

Dificuldades no licenciamento

Era de se esperar que a franquia de jogos de futebol mais popular da história tivesse todos os direitos de imagem dos grandes clubes e jogadores do planeta, porém, com a guerra que a EA vem travando com a Konami nos últimos anos, por esses direitos, essa é uma realidade cada vez mais distante. 

O último Fifa (20), apesar de ter a segunda divisão do futebol alemão (não, não é mentira…) entre os seus torneios, não conseguiu fazer com que a liga italiana entrasse no videogame, e vários dos times e atletas da competição tiveram que ser “reinventados”. O grande exemplo a se citar é o da equipe Piemonte Calcio, equivalente a Juventus no mundo real, que inclusive foi motivo de gozação de vários internautas na rede.

Escudo da equipe Piemonte Calcio Fifa
Escudo da equipe Piemonte Calcio. | Foto: Reprodução.

Gráficos

Verdade seja dita que o principal fator que faz Fifa ser tão especial é sua jogabilidade. Os passes, os chutes e várias outras mecânicas de movimento estão muito próximas da realidade e causam inveja em todas as outras franquias de videogames esportivos existentes.

No entanto, com a chegada de uma nova geração de consoles, seria muito interessante ver a EA tirando o máximo proveito das novas engines para produzir os melhores visuais possíveis, algo que a Konami soube fazer com maestria na geração anterior. Assim, com gráficos tão maravilhosos quanto o gameplay, a série de jogos, com certeza, ia ser até mais atraente do que já é, e tecnicamente estaria próxima da perfeição.

Fifa 20
Gráficos do Fifa 20 comparados ao do PES do mesmo ano. | Foto: Footy Headlines.

Conclusão

Por ser uma das principais desenvolvedoras na indústria de games, a Eletronic Arts é mais do que capaz de trazer algo a mais ao Fifa fora uma mudança de número. No entanto, para se melhorar, é preciso de tempo, e talvez seja o momento da empresa abandonar o esquema de lançamento anual do videogame.

Ao invés disso, ela poderia disponibilizar atualizações on-line anualmente até que se alcance uma “versão definitiva” do jogo. Óbvio que isso não é uma decisão fácil, especialmente devido ao lucro que o game gera, porém, está mais do que na hora de a EA pensar mais na qualidade do que no dinheiro.

__________________________________
Por Bruno Marquesini e Pedro de Souza – Fala! Cásper

Tags mais acessadas