Home / Colunas / Precisamos falar sobre o Estado Islâmico (E.I)

Precisamos falar sobre o Estado Islâmico (E.I)

Por Bianca Dias, Fernanda Ming e Gabriela Henrique – Fala! Anhembi

 

O Islamismo

Criado no século VII D.C. é uma religião monoteísta, ou seja, aquela que acredita em apenas um Deus. A religião reconhece Alá como seu Deus, e Maomé (Muhammad) como seu profeta. O texto sagrado é o Alcorão, obra que possui as revelações feitas por Alá a Maomé.
A grande maioria das pessoas não entendem a diferença entre o Islamismo e Estado Islâmico. O Estado Islâmico surgiu devido questões políticas/econômicas e o islamismo é uma religião, que não prega o terrorismo. A questão existente é o fundamentalismo religioso por parte dos grupos, ou seja, alguns grupos extremistas interpretam a religião de determinada forma e querem disseminar essa visão a todo custo para à sociedade.
A dúvida frequente é a diferença entre muçulmano, islamita e árabe. Muçulmano (ou islamita) é todo indivíduo que adere a religião islâmica; os árabes são um grupo étnico que habita o Oriente Médio e utilizam a língua árabe, como por exemplo os iraquianos, egípcios, palestinos.

O Estado Islâmico ou Islamic State of Iraq and Syria (EI ou ISIS)

O Estado Islâmico é um grupo de militantes extremistas que possui vasto exército e armas de destruição em massa. Seu principal objetivo é causar medo e pavor na sociedade. Possui um comando central, onde é feita a organização para os ataques e coordenação de suas ações. Hoje em dia, o ISIS espalhou-se por uma grande parte do Oriente Médio e estão localizados em pontos estratégicos (onde há um número expressivo de civis).

Surgimento do E.I:

– 1990: o jordano Abu Musab al-Zarqawi já tinha um grupo extremista.
– 2002: Musab chegou ao Afeganistão com um centro de treinamento, e nesse período conheceu Osama Bin Laden (fundador da Al’Qaeda).
– 2003: houve a intervenção dos EUA derrubando o regime de Suddam Hussein, pois o presidente George Bush acusou Hussein de possuir armas de destruição em massa e ter uma relação próxima com a Al’Qaeda.
– 2004: Musab afirmou uma aliança com Bin Laden transformando o seu grupo na Al’Qaeda no Iraque. No mesmo ano, parte dos militantes extremistas formaram uma organização própria junto com outros grupos menores e essa aproximação resultou na criação do Estado Islâmico.
– 2006: Musab foi morto e em 2010 Abu Bakr al-Baghdadi, assumiu o poder sendo atualmente o líder do E.I.

O intuito do ISIS é dominar todo o Oriente Médio, criando um “Estado” islâmico que seria governado por um califa (um sucessor do profeta Maomé como chefe da nação e líder da comunidade muçulmana), que funcionaria de acordo com as leis e crenças do Islamismo, formando, assim, um grande império.

A Expansão

O E.I vem aumentando cada vez mais nos últimos anos, não só pelos territórios que ocupa dentro do Oriente Médio, como Síria e Iraque, mas também porque combatentes do mundo inteiro estão sendo influenciados a fazerem parte do grupo. Isso acontece através das principais redes sociais, como o Facebook e Twitter, sendo esta a forma mais rápida de recrutamento para os atos terroristas.

“Lobo Solitário”

Foi um termo criado para chamar as pessoas que não conseguem viajar para o Oriente Médio e não possuem recursos para fazer parte da equipe. São aqueles que acreditam na causa do grupo, querem ajudar e estão em um país que é contra ao E.I. Dessa forma, entram em um carro e atropelam milhares de pessoas nas ruas ou em qualquer outro lugar, sozinho, provocando massacres com o intuito de demonstrar toda sua devoção ao grupo e ao ideal. Exemplo disso foi o ataque que aconteceu em Barcelona, em agosto de 2017, onde o motorista entrou em uma van e atropelou as pessoas que estavam na rua naquele momento, matando 13 pessoas e ferindo mais de 100.

Ataques Terroristas

De acordo com a Organização das Nações Unidas (ONU), o terrorismo pode ser definido como: “Atos criminosos pretendidos ou calculados para provocar um estado de terror no público em geral […]” -Declaração sobre Medidas para Eliminar o Terrorismo Internacional (Resolução 49/60 da Assembleia Geral, para. 3) – Mas todo ataque terrorista está ligado ao Estado Islâmico ou ao Oriente Médio? Na verdade, isso é uma visão um pouco errônea que temos sobre o assunto, já que atentados terroristas podem ser provocados por qualquer pessoa ou grupo que siga a definição citada acima, e existem casos recentes e antigos de pessoas que provocaram um grande pavor muito antes do surgimento do E.I, como exemplo: o atentado que ocorreu em Nova York (Bombardeio de Wall Street) em 1920, por um homem que chegou em uma carroça, descarregando um pacote e foi em direção à multidão. A bomba explodiu matando 30 pessoas e ferindo 300.

Violência

A violência no E.I, considerada por esses uma escolha consciente, é usada para demonstrar força e poder, além de aterrorizar o inimigo. O E.I defende a guerra sem limites, utiliza da violência também para impressionar novos recrutas e até para solucionar disputas dentro do próprio grupo. O atual líder do Estado Islâmico, Abu Bakr al-Baghdadi, não defende ou justifica a extrema violência do E.I com algum conceito teológico, apenas propaga o pânico por meio de atos brutais, acreditando na demonstração do poder do grupo radical por meio destes.

Confira também

Quem narra, manipula – seja com a caneta, seja com a câmera

Por Lígia de Castro – JornalismoJr ECA-USP     Um personagem anda por uma rua. A ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *