Menu & Busca
Por que a Disney está transformando todos os filmes em Live Actions?

Por que a Disney está transformando todos os filmes em Live Actions?


Por Julia Palmieri – Fala! Cásper

A recente estreia de Dumbo (2019) nos cinemas levou os filmes
live-action da Disney para outro patamar, com o filme trazendo Dumbo totalmente computadorizado, porém mais real do que nunca. O live-action, que é apenas o primeiro filme lançado pela Disney dos quatro programados pra 2019, traz empolgação para os fãs: ver os filmes clássicos em “carne e osso”. Talvez seja essa a melhor “sacada” para a popularização desses filmes ditos “reais”, a emoção de ver os filmes originalmente desenhos com atores de verdade. Seria a intenção de agradar os fãs a principal motivação da Disney para investir tanto em produções live-action, ou apenas o lucro que isso traz?

Mogli foi o primeiro live-action feito pela Disney, em 1994. O filme, originado do desenho de 1967, foi regravado em 2016 numa versão mais atual e bem mais tecnológica que a antiga, com os animais produzidos com efeitos especiais parecendo de verdade. Ainda na década de 90, a Disney lançou 101 Dálmatas em 1996, e depois a sequência 102 Dálmatas, em 2000, mas estagnou nas produções depois desses filmes. Não se sabe muito o porquê, considerando que os dois filmes tiveram grande sucesso na época. A Disney só voltou a fazer live-actions 10 anos depois com Alice no país das Maravilhas, dirigido por Tim Burton.

Em 2014, depois de um intervalo de 4 anos, a Disney voltou com tudo lançando Malévola, baseado na história da Bela Adormecida, e em 2015, Cinderela.  Em seguida, a produtora lançou Mogli e outros, fazendo praticamente um live-action por ano. Assim, tornou-se evidente, diante do sucesso desses longas, que filmes com atores “reais” de desenhos conhecidos e amados pelo público dão recorde nas bilheterias. É evidente que a Disney visa principalmente o lucro com essas produções, mas a razão talvez vá além disso. Os fãs fervorosos da empresa estão sempre cobrando mais e mais. Eles querem ver seus clássicos favoritos presentes nas telinhas mesmo depois de tanto tempo. A adaptação desses desenhos, além de trazer inúmeros fãs ao cinema, revive esses filmes de forma a não deixar que eles sejam esquecidos: sendo assim eles são relembrados e revistos por novas e novas gerações. Uma criança nascida nos anos 2000 talvez nunca tenha ouvido falar do famoso elefantinho que voa, do primeiro Dumbo, filme de 1941. Hoje, ela pode ir no cinema e se encantar com a história, e os pais podem ver tudo de novo como se fosse a primeira vez.

Por meio da magia da Disney, uma das maiores empresas lucrativas do mundo, tenta-se continuar a acalentar os corações dos apaixonados por esse mundo encantado de filmes, trazendo os mais queridos pelos espectadores, ganhando, em consequência um lucro excessivo no final. Assim, todos saem ganhando e evidentemente trazer a versão real só tem recebido elogios do público.

           As recentes live-actions abriram espaço também para mudanças no roteiro original, o que é cabível considerando que passaram-se anos e o contexto atual é outro. A Bela e Fera (2017), protagonizada por Emma Roberts, foi muito aclamada pela crítica e pelos fãs, apesar de terem sido adicionadas algumas cenas que não existiam e mantiveram outras  idênticas à primeira versão. Malévola (2014) inovou ao contar o outro lado da conhecida história da bela adormecida, mostrando que a vilã é muito mais do que só uma personagem “má”. O sucesso do filme encomendou sua continuação agendada para o fim desse ano.

Além da estreia de Dumbo, Aladdin é o próximo a ser lançado em maio e Rei Leão em julho, além de Malévola 2 em outubro, todos ainda em 2019. Isso  caracteriza-se um recorde da Disney, com quatro live-actions em apenas um ano. Para 2020, já está programado Mulan em março e há ainda pelo menos mais cinco filmes sem data de estreia, como Cruella e Pinóquio. A tendência é que esses filmes continuem fazendo muito sucesso, deixando os fãs felizes, revivendo clássicos e, consequentemente, dando muito lucro a seus produtores.

Quer se tornar um colaborar e escrever para o fala?
Saiba como

0 Comentários

Tags mais acessadas