Home / Colunas / Cinco Dicas para Quem Quer se Tornar Vegetariano

Cinco Dicas para Quem Quer se Tornar Vegetariano

Por: Fernanda Antônia – Fala! M.A.C.K
Luísa Moraleida se tornou vegana no primeiro trimestre de 2017 e criou a conta @verdelifestyle para postar suas receitas

De acordo com uma pesquisa do Ibope de 2012, a mais recente sobre o assunto, 8% da população se declarava vegetariana naquela época, o que correspondia a cerca de 16 milhões de brasileiros. Baseado na experiência de Luísa Moraleida, 22 anos, estudante de jornalismo, e na opinião de Priscilla Mazza, 26 anos, nutricionista especializada em nutrição vegetariana e vegana, segue algumas dicas para quem quer se tornar vegetariano:

1- Estude sobre o assunto

De acordo com Priscilla Mazza, é preciso entender o que se deve comer para suprir as necessidades de nutrientes do corpo. “É importante estudar o assunto para não correr o risco de ter déficit de proteína, e assim saber identificar quais são as fontes proteicas de origem vegetal que substituem carnes e ovos”, exemplifica.

Ao se informar, você também garante que não cairá no senso comum. “Infelizmente, os mitos dificultam a tomada de decisão para aderir a um novo estilo de vida”, diz Mazza. De acordo com ela, alguns dos mitos mais acreditados são:

– Vegetarianos não consomem proteína: todos os alimentos do reino vegetal possuem proteína, mas em quantidades diferentes. “Uma dieta bem planejada atinge quantidade suficiente ou até mesmo elevada no teor proteico”, diz a profissional.

– Vegetarianos são anêmicos: anemia ferropriva (falta de ferro no organismo) não é uma consequência da dieta vegetariana, mas de uma alimentação inadequada ou algum agravamento de doenças que causem perda de sangue.

2- Entenda como seu corpo funciona

Segundo Mazza, o maior erro que ocorre na fase de transição para o vegetarianismo é a substituição alimentar. “Muitos excluem carne, frango, peixes, ovos, leites e derivados, que são fontes proteicas, e as trocam por opções que são fontes de carboidratos – arroz com legumes, macarrão com legumes, arroz com batata e legumes. Dessa forma, acabam tendo uma alimentação com déficit proteico, podendo comprometer a saúde”, explica.

Ela esclarece que a falta de proteína pode acarretar problemas na saúde, tais como queda de cabelos e perda de massa muscular. É importante também saber sobre fatores antinutricionais, como fitato e oxalato, que prejudicam absorção de minerais como cálcio, ferro e zinco. Além disso, todos os vegetarianos devem estar cientes de que consumir uma fruta cítrica após uma refeição rica em ferro, pode ajudar na absorção deste nutriente.

3- Não discuta com quem não quer entender

A decisão pelo vegetarianismo não afeta apenas a alimentação, mas também envolve fatores sociais. Haverá quem queira contradizer sua postura e impor uma padronizada. Discutir com quem não está disposto a entender seus motivos para seguir a dieta vegetariana não vale a pena e pode prejudicar suas metas.

Mazza observa que a recaída por alimentos de origem animal que as pessoas gostam muito, como pizza e doces de festa, é comum. No entanto, muitas vezes, isso ocorre por conta do social. “As pessoas ao redor das que estão em transição não aceitam muito bem o novo estilo de vida, e acabam influenciando-as a se renderem às opções que pretendiam excluir”, conclui.

Luísa Moraleida, dona da conta @verdelifestyle no Instagram, acredita que quando um não-vegetariano se demonstra muito intolerante a sua ideia, ele não entenderá mesmo os mais bem embasados argumentos. “Ela não quer ouvir que o que ela faz é cruel, que prejudica outros seres e o planeta. Ela quer que você admita que você é louco”, argumenta.

4- Não tenha medo de defender seus valores

Não há porque se calar sobre as decisões que você tomou. Explicá-las, assumi-las e defendê-las é totalmente válido.

“Eu apenas dizia que não iria comer naquele dia”, conta Moraleida sobre o receio inicial em dizer que era vegetariana. Uma das dificuldades da digital influencer era justamente a adaptação social. Isso se dava, principalmente, por não querer ser julgada e não estar disposta a encarar questionamentos frequentes, como “o que você come?” ou “você não sente falta da carne?”.

Ela relata que quando percebeu que o vegetarianismo estrito era realmente o que queria, ela perdeu o medo de falar sobre sua escolha.

“Pode ser muito mais libertador do que restritivo. Assuma sua bandeira e seus valores, não tenha medo dos questionamentos e não se cale”

5- Respeite o seu ritmo

Tornar-se vegetariano é uma grande mudança e exige paciência. Por isso, encontrar o próprio ritmo é fundamental. Antes de iniciar a transição, ou antes de desistir dela, reflita sobre o quanto você pode exigir do seu corpo. Há quem não tenha problemas em cortar de vez todo tipo de carne, enquanto há quem o faz e acaba retornando o consumo.

A nutricionista Mazza observa que alguns ovolactovegetarianos possuem dificuldades em manter uma alimentação vegetariana estrita por muito tempo, após retirarem, simultaneamente, ovos e leite do hábito de consumo.

“Sempre oriento escolher uma das opções para ser retirada no primeiro mês de forma gradativa, ao longo de sua rotina”, aconselha.

Confira também:

Por que as dietas vegetarianas estão se tornando tão populares?

Confira também

São Paulo: 40 anos do Centro Acadêmico Vladimir Herzog

A Entidade mais antiga da Faculdade Cásper Líbero recorda seus 40 anos de existência O ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *