'Dancing With The Devil': um diário aberto de Demi Lovato
Menu & Busca
‘Dancing With The Devil’: um diário aberto de Demi Lovato

‘Dancing With The Devil’: um diário aberto de Demi Lovato

Home > Entretenimento > Música > ‘Dancing With The Devil’: um diário aberto de Demi Lovato

Após quase quatro anos em “hiato”, Demi Lovato fez o seu comeback, em abril de 2021, com Dancing With The Devil…The Art Of Starting Over, seu sétimo álbum de estúdio. Ele é dividido em duas partes: Dancing With The Devil, com uma “pegada” mais pesada e melancólica, e The Art of Starting Over, um lado mais lírico e upbeat. Com 19 faixas, a cantora abre para o público sua história, o disco torna-se o mais vulnerável de toda a sua carreira.

Junto ao álbum, Demi Lovato lançou também seu documentário Dancing With The Devil, no qual ela fala sobre sua overdose, ocorrida em 2018, e sua jornada de recuperação. 

Dancing With The Devil demi lovato
Dancing With The Devil é um diário aberto de Demi Lovato. | Foto: Reprodução.

Novo álbum de Demi Lovato

Dancing With The Devil

O álbum começa com a poderosa balada Anyone, escrita antes do episódio que quase a matou. A música é um pedido de ajuda, mas que ninguém parece escutar, e seus vocais impecáveis são capazes de transmitir os sentimentos de desespero e solidão. Já Dancing With The Devil, conta sobre a noite da overdose e, a junção da história com a fortíssima voz da cantora, consegue envolver o público em sua carga emocional.

A primeira parte do álbum termina com a comovente faixa ICU (Madison’s lullaby). No hospital, após sua overdose, Demi Lovato não conseguiu reconhecer a sua irmã mais nova pois estava cega. Dedicada a ela, a artista cantou sobre seu desejo de protegê-la e que, agora, a enxerga claramente.

The Art of Starting Over

Após uma breve introdução a esse novo mundo com a faixa Intro, a música The Art of Starting Over já mostra uma atmosfera completamente diferente da do início do álbum. Lovato canta sobre seu recomeço depois do episódio que quase a matou e a batida dançante que remete aos anos 80 contribui com esse clima de fresh start. Com uma batida muito parecida, The Kind Of Lover I Am mostra a completa aceitação de sua sexualidade. Em 2020, a cantora afirmou que se considera queer e ela deixou isso bem claro na música – “Doesn’t matter you’re a woman or a man/ That’s the kind of lover I am”. 

Demi Lovato também sempre foi muito aberta sobre seus distúrbios alimentares e isso não se mostrou diferente em sua nova obra. A faixa The Way You Don’t Look At Me fala sobre a sua fragilidade em relação a si mesma e como estar com alguém que não prestava atenção nela levava a pensamentos de que precisava melhorar seu corpo. Já Melon Cake, representa o adeus ao controle excessivo de sua antiga equipe, que a dava uma melancia em formato de bolo coberta com chantilly sem gordura em seu aniversário ao invés de um verdadeiro bolo.

O ano passado foi um ano conturbado para a vida amorosa da artista, que entrou em um noivado tão rápido quanto saiu dele ao descobrir as reais intenções de seu ex-parceiro. Em 15 Minutes, ela compartilha como foi o término, com vocais fortíssimos capazes de expressar a sua decepção em relação ao ex-noivo. Mas a melancolia é logo colocada de lado na faixa seguinte, My Girlfriends Are My Boyfriends. Junto à Saweetie, Lovato canta sobre a importância da companhia das amigas, principalmente após um coração quebrado, e esse alto astral é elevado com uma batida que lembra um R&B contemporâneo.

Além da colaboração com a rapper, outra grande artista também aparece no álbum. A faixa Met Him Last Night foi muito esperada pelos fãs, já que conta com a participação de Ariana Grande, a qual escreveu a letra e a presenteou à Demi Lovato. Ambas sempre se destacaram por suas vozes marcantes e a junção dos fortes vocais de Lovato com as suaves notas de Grande forma uma combinação quase perfeita, que contribui para a atmosfera da música. 

Chegando ao final do álbum, a cantora retorna à sua relação com as drogas, porém, dessa vez, falando sobre a sua recuperação. Em California Sober, canta sobre o método que optou, mas reforçando o fato de que cada jornada é diferente, portanto, o que funciona para ela pode não funcionar para o outro. Ao escutar a música, é possível perceber que a ex-estrela da Disney finalmente encontrou a paz, e é exatamente sobre isso que sua última faixa fala. Good Place representa o lugar saudável onde ela está hoje e o fundo acústico simples acompanhado de notas suaves encerra a obra de forma leve.

Apesar do assustador episódio pelo qual Demi Lovato passou em 2018, Dancing With The Devil…The Art Of Starting Over parece ser a tentativa da cantora de finalmente tomar controle da narrativa. O álbum mostra o seu crescimento artístico e espiritual, com vocais vulneráveis, letras cuidadosamente escritas, músicas colocadas em uma ordem muito bem pensada e um equilíbrio entre a melancolia e a leveza. O álbum é como um diário aberto para o mundo e é capaz de tocar os corações do público.

_____________________________
Por Luana Watanabe – Fala! Cásper

Tags mais acessadas