Cadastre-se e tenha acesso a conteúdos exclusivos!
Quero me cadastrar!
Menu & Busca
Crônica: Eles dizem não

Crônica: Eles dizem não

Por Tayna Fiori – Fala!Cásper

Eles dizem não, expressão que não podemos ser livres. Eles nos negam, dizem não a minorias: mulheres, LGBT+, negros… Qualquer um que acham inferiores! Dizem que não lutamos pela igualdade de gênero, mas é o que mais queremos. Distinguem gênero pela cor, todavia quem disse que mulher não pode usar azul e homem rosa? Fica explícito que ELES lutam pelo que interessa, pela morte dos outros.

Todos os anos de conquistas foram perdidos! Feminismo se encerrou, comunidade LGBT+ se feriu e os negros, nem se fala. Tantas passeatas, mortes, roupas queimadas para querer obter direitos, os quais foram rasgados sem dó. Serão 1.460 dias de sofrimento, 4 anos, mas não àquele que pertence à maioria. No entanto, todo aquele resto, como é chamado, irá sofrer pelos cantos, ter medo do que realmente é.

Dizem que se você não é vagabundo, não precisa se preocupar. Mas me diz, ser gay é vagabundice? Somos “vagabundos” por sermos o que somos, não escolhemos ser minoria. Mulheres morrem todo dia, seja pela violência, pelo assédio ou pelo fato de serem mulheres. A quantidade de estupros, nem tem como citar. Negros são mortos pela cor, julgados, condenados. Sociedade hipócrita, diz que a escravidão acabou mas ainda separa um homem pela raça? Vivemos eternamente no apartheid. Gays e lésbicas (comunidade LGBT+), simplesmente não podem sair na rua sendo o que são, pois senão são odiados e mortos a pauladas.

Em que mundo vivemos? Um local onde pessoas ganham pelo ódio que exprimem. Elegem o homem que “vai mudar tudo”, o qual luta pela família tradicional. Mas pera lá, qual é a “família tradicional”? Provável que esse termo nem exista, tradicional torna-se o que é bom para você! Serão anos longos, anos de diferenças, serão tempos que teremos que fazer a diferença, a mudança!

As minorias irão mostrar sua força, lutar pelo que é nosso realmente! Conquistaram-se muitas coisas, e não podem ser perdidas. Não é um homem que vai mudar isso, tornamos-nos mais forte que o ódio! Somos mais fortes que tudo, passamos por muita coisa e vamos passar por mais quatro anos! “Que a força esteja com NÓS!”

1 Comentário

  1. Manu Sabonaro
    3 meses ago

    Parabéns Tayna, se o mundo tivesse mais pessoas com o seu pensamento, o mundo com certeza seria melhor, faço parte da comunidade lgbt e fico feliz em saber que não estamos sozinhos. Beijos e obrigada por abraçar essa causa com tanta empatia e carinho.