Home / Colunas / Cinema / Crítica: Bohemian Rhapsody

Crítica: Bohemian Rhapsody

Lais Costa – Fala!Anhembi


Resenha: Bohemian Rhapsody

Rami Malek possui feições faciais bem únicas e, francamente, é uma das coisas que mais gosto sobre ele. Tenho acompanhado sua carreira desde Mr. Robot, passando por Buster’s Mal Heart e chegando a Bohemian Rhapsody, que seria o seu primeiro grande papel principal num filme – porém não é. Apesar de Freddie e Rami se encaixarem e ele conseguir capturar perfeitamente alguns momentos (principalmente os de diva) do ícone musical, os clichês tornam este filme idêntico a qualquer outro. Tossir sangue num lencinho, por exemplo, é algo que já foi utilizado tantas vezes que simplesmente incomoda quando acontece num filme de uma produção gigantesca como essa. O tabu da sexualidade, assim como o uso de drogas, parece feito para agradar a audiência hétero que é fã do Queen, e tudo é mascarado o suficiente para não deixar nenhum pai de família desconfortável.

O roteiro torna-se pobre com os clichês e a sequência de acontecimentos que segue uma lógica de mocinho e vilão; ataques de diva; arrependimento e redenção antes da morte trágica. Acredito eu que há outras maneiras de contar uma história. Os últimos dias ou anos de sua vida seriam interessantíssimos e foram totalmente ignorados. A arte gráfica horrenda que invade a tela violentamente na metade do filme e pula de maneira desnecessária grande parte da carreira dos artistas, por exemplo, é algo que passa a sensação de descaso com o filme e deixa explícita uma preguiça audiovisual. Não há nada, além do rosto do ator principal, que cause um estranhamento naquele que assiste.

 

Conhecendo outros trabalhos do ator, é notável que o potencial de Rami Malek é levemente desperdiçado neste filme feito para emocionar, que infelizmente só arranha a superfície. Me emociono igualmente assistindo a um vídeo da banda no youtube, e pessoalmente não pude sentir nada diferente no cinema.

Entretanto, o figurino é fiel e fabuloso e pode ser cotado para um Oscar. O filme arranca risadas e obriga o espectador a cantar junto. Sem dúvidas, o papel pode alavancar a carreira de Malek. Só espero que não seja lembrado pelas cenas forçadas que desbancam outras maneiras mais criativas de usar seu talento.

 

Confira também

Consciência Negra, muito além do dia 20 de novembro

Por João Guilherme Lima Melo – Fala!PUC   Projeto de lei número 10.639, dia 9 ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *