Cadastre-se e tenha acesso a conteúdos exclusivos!
Quero me cadastrar!
Menu & Busca
Crítica: O Date Perfeito

Crítica: O Date Perfeito

Por Lívia Marques – Fala!Cásper

Um Date Não Tão Perfeito

Depois de “Para Todos os Garotos Que Já Amei” e “Sierra Burgess é uma Loser”, Noah Centineo estreia em mais uma comédia romântica da Netflix, junto às atrizes Camila Mendes e Laura Marano.

FICHA TÉCNICA
Direção: Chris Nelson
Lançamento: 12 de abril de 2019 (Brasil)
Produção: NETFLIX
Duração: 90 minutos

Depois de “Gatinhas e Gatões”, “10 Coisas que Eu Odeio em Você”, “(500) Dias com Ela”, chegamos a outra geração de comédias românticas com mais uma produção da Netflix: O Date Perfeito. Apesar de adaptar-se à modernidade, o filme é baseado nos clichês do gênero que são acolhidos pelo público e que atingem boa audiência. Esta não é uma combinação de todo ruim. Tenho certeza que você consegue listar inúmeras comédias românticas que gosta, mas O Date Perfeito é uma delas?

O Date Perfeito coloca-nos como participantes de um pequeno período da vida de Brooks Rattigan, interpretado por Noah Centineo. Um garoto comum, que quer estudar em uma boa universidade e que precisa conseguir dinheiro para tal sonho. A personagem principal abraça a semelhança com muitos jovens espectadores do filme, o que desperta um interesse inicial na produção. Assim segue-se até o momento em que o protagonista aceita levar a prima do garoto popular da escola, Reece, ao baile em troca de dinheiro. A partir desse ponto o longa metragem começa a ficar conturbado. Brooks conhece Celia (Laura Marano), prima de Reece, e Shelby (Camila Mendes), a garota idealizada, na tentativa falha do diretor em criar um triângulo amoroso intrigante.

Disposto a tudo para conseguir o dinheiro para a faculdade, o garoto, junto a seu melhor amigo Murph, cria um aplicativo para que ele possa sair com várias pessoas dispostas a pagar por seu serviço, em uma espécie de “companheiro de aluguel”. A trama pincela uma versatilidade da personagem, vergonhosamente não explorada, ao mostrar o garoto caracterizando-se e agindo de diversas maneiras. Nesse momento, o enredo explode conflitos, alguns não desenvolvidos, outros sem solução.

Resultado de imagem para date pérfect the

O Date Perfeito desmerece o legado das comédias românticas. Um roteiro desconexo, repleto de acontecimentos atropelados e com algumas questões sem conclusão. Ao longo da trama, parece que estamos assistindo duas histórias completamente diferentes e que não casam entre si. Talvez, fosse de boa inteligência produzir dois enredos distintos: “O Triângulo Amoroso de Brooks” e “Brooks: 1000 homens em 1”. O diretor, Chris Nelson, cria uma personagem completamente superficial, sem mostrar características interessantes do jovem, o que faz parecer que este é um garoto inconsequente.

Imagem relacionada

É provável que os fãs de Noah Centineo tenham gostado do filme, uma vez que a produção tenta seguir a receita de outras comédias românticas e que, para alguns, cumpriu o papel de passatempo. Noah segue o padrão de atuação de “Para Todos os Garotos que Já Amei” e “Sierra Burgess é uma Loser”. O destaque positivo do filme fica com a atuação de Laura Marano, que traz um misto de sarcasmo e dureza, salvando o filme com um ótimo timing para comédia. Outro ponto positivo é o personagem Murph, que merecia uma história só para ele, pois aparenta ser anos-luz mais interessante que Brooks, mas que não é devidamente explorado no filme.

Com uma mensagem final de “seja você mesmo e não mude sua personalidade”, o filme acaba com suas sucessões de acontecimentos desconexos. Após uma pobre construção das personagens, tem-se o total de zero apego com qualquer herói da trama e terminamos o filme com a sensação igual à que começamos, o que, acredite, não é nada bom. O Date Perfeito tinha tudo para ser a típica comédia romântica de arrancar suspiros, risos e lágrimas, mas que, por algum motivo, abandonou seus ótimos atores e jogou todos os bons conflitos ladeira abaixo e apostou em tudo que era ruim e sem sentido. Por fim, há uma tentativa de final de “conto de fadas” e é fácil saber com quem Brooks será “feliz para sempre”, porque, querendo ou não, é uma comédia romântica clichê. Falha. Mas é.

1 Comentário

  1. ma.paschoal
    6 meses ago

    Muito bomm!!
    Acredito que assim como eu, muitos vão concordar com tudo que vc falou

Tags mais acessadas