Home / Colunas / Conheça a Coração de Bambu, a ONG que auxilia outras ONGs

Conheça a Coração de Bambu, a ONG que auxilia outras ONGs

Por Karolyne Oliveira e Nathália Taise – Fala!Cásper

 

Coração de Bambu é a ponte entre quem ajuda e quem quer ajudar

O projeto auxilia protetores de animais através de doações recebidas nas redes e eventos sociais

Um projeto que ajuda quem ajuda: é dessa maneira que as fundadoras do Coração de Bambu o definem. Trata-se de uma ação que existe apenas desde fevereiro de 2018, mas que apesar do pouco do tempo de vida possui treze colaboradores, unidos pela paixão por ajudar.

O projeto nasceu com o intuito de se tornar voluntário através do Projeto Sorrir, que faz visitas a hospitais. A ideia é oferecer ajuda independentemente a quem. O sentimento de solidariedade foi se expandindo até o nascimento do Coração de Bambu, que é um braço de ajuda aos animais.

Equipe Coração de Bambu.


O nome vem de uma metáfora; o coração representa o amor, e o bambu, a resiliência em extrair o que há de bom de uma fase ruim. “Fazer o bem com cor e ação”, nas palavras de Joyce Cristina, uma das criadoras.

 Os voluntários que participam do programa são pessoas como nós, mas com um imenso desejo de ajudar. São pessoas como a Joyce e a Meire de Oliveira, que nos contaram como o Coração de Bambu funciona.

O programa é uma ponte entre pessoas que querem ajudar e aqueles que já ajudam, como ONGs, instituições e protetores. Através de redes sociais como Instagram e Facebook, o Coração de Bambu pede doações e auxílio para pessoas como a Dona Arlete que, dentro da sua própria casa, cuida de quarenta animais, dos quais todos têm algum tipo de deficiência neurológica ou física.

Entrega das doações arrecadadas pelo Coração de Bambu à Protetora Arlete.

 

Dona Arlete conta que as boas ações começaram por uma promessa: seu cachorrinho estava muito debilitado, com cerca de três meses de vida, segundo o veterinário. Então ela fez uma promessa – se o cachorrinho sobrevivesse por mais tempo, ela viveria em função de ajudar outros animais. E aí o cachorrinho, que tinha só três meses de vida, viveu por mais sete anos. Hoje, Dona Arlete está pagando a promessa, e faz isso com o maior amor do mundo. São iniciativas inspiradoras como essa que recebem ajuda do Coração de Bambu.

Joyce Cristina e Meire de Oliveira – as entrevistadas

Joyce e Meire contam que desde sempre cultivam um amor pelas criaturinhas de quatro patas. Ambas possuem cachorras em suas casas, mas relatam que, apesar de terem tentado adotá-las, não conseguiram por problemas pessoais. Joyce diz: “não tenho vergonha de divulgar a causa da adoção. Acredito que a gente evolui muito como pessoa, então hoje a minha consciência não permitiria mais comprar um cachorro”.

Atualmente, existem aproximadamente 10 milhões de cães e 20 milhões de gatos abandonados em todo o Brasil, entre as grandes capitais e as cidades interioranas. A maioria desses animais já teve uma casa, mas foi abandonada pelo dono. Os motivos para o abandono são variados, mas todos eles giram em torno da falta de planejamento antes de escolher cuidar de um bichinho. As pessoas abandonam cães e gatos por serem destrutivos dentro de casa, ou exigirem muita atenção, ou latirem e uivarem, coisas que são naturais do comportamento animal – mostrando assim o egoísmo dos humanos que os abandonam.

Felizmente existem diversas ONGs, canis, instituições e protetores independentes que tentam abrigar animais de rua. Todos, porém, estão superlotados, e é impossível dar conta de todos os animais. Só em São Paulo são resgatados, em média, 500 animais por mês, o equivalente a 16 animais por dia, de acordo com uma pesquisa feita pela VEJA SÃO PAULO.

E o projeto Coração de Bambu está aqui para dar mais uma ajuda para esses animais. O grupo pretende arrecadar dinheiro ou mesmo doações de produtos como ração, fralda, remédios e etc., para entregá-los a quem precisa, e para isso eles fazem tudo o que pode: a organização possui um brechó e vende doces pela cidade de São Paulo, além de promover eventos como o Boteco Solidário e a Feijoada Solidária, em que todo o lucro é revertido em prol dos projetos sociais auxiliados.

E para as pessoas que gostariam de ajudar esses animais, mas não possuem espaço ou tempo para se dedicar a eles, o Coração de Bambu oferece uma alternativa: o apadrinhamento. Através dele você pode contribuir com um valor mensal para custear os cuidados e os gastos de um animal de sua escolha, e assim você pode ajudar bichinhos como o Love, cachorro paraplégico que precisa de cuidados.

Existem diversos planos de apadrinhamento. O apadrinhamento total custa por volta de 400 reais, mas há ainda os planos parciais: com R$30,00 o padrinho ajuda com as papinhas; com R$60,00 são adicionadas as fraldas e, por fim, com R$140,00 são comprados também os remédios.

Além disso, o padrinho tem uma relação com o animal, recebendo retorno através de fotos e vídeos em que a protetora que cuida dele reporta como o apadrinhado está. O padrinho pode fazer visitas regulares, e Dona Arlete dá festinhas para que todos os padrinhos se encontrem com seus afilhados.

Para Joyce, fazer parte do Coração de Bambu é um orgulho. “O voluntariado traz uma coisa pra gente que é inexplicável. Fazer parte de um grupo que tá ajudando outras pessoas, outros animais, a sensação é de privilégio, de estar pertencendo a uma coisa grande, com um propósito”.

A iniciativa é inspiradora e, para ajudar, é preciso apenas entrar em contato com o projeto através do Instagram  e Facebook.

Página do Coração de Bambu no Instagram, em post sobre o apadrinhamento.

 

Quando você adota ou ajuda a cuidar de um cachorro ou gato, você estará recebendo deles um amor e uma gratidão que nenhum humano pode lhe proporcionar. É algo único o que vem daquela calda abanando. Essas criaturinhas de quatro patas possuem em si toda a inocência do mundo, e também toda a bondade. Não deixemos, portanto, que o egoísmo e a inconsciência do ser humano os maltratem. O mundo precisa de mais ações boas, e não há nada melhor do que ajudar alguém, seja humano ou animal.

 

LEIA TAMBÉM:

Identidade perdida – Histórias de Moradores de Rua

Confira também

Consciência Negra, muito além do dia 20 de novembro

Por João Guilherme Lima Melo – Fala!PUC   Projeto de lei número 10.639, dia 9 ...

2 Coment.

  1. Gostaria de fazer contato via e-mail.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *