Conheça as 5 melhores lendas urbanas norte-americanas
Menu & Busca
Conheça as 5 melhores lendas urbanas norte-americanas

Conheça as 5 melhores lendas urbanas norte-americanas

Home > Entretenimento > Cultura > Conheça as 5 melhores lendas urbanas norte-americanas

Uma tragédia é algo de que se participa; a uma comédia apenas assistimos.

Aldous Huxley

O trágico encrustado nas lendas urbanas torna-as horripilantes e curiosamente atraentes, o que colabora para a sua propagação entre pessoas de uma certa região. A principal característica desse tipo de história é, além de seu caráter narrativo, a forma que é transmitida a novos interlocutores, ou seja, de maneira informal e geralmente com autenticidade confirmada por testemunhas (amigos, parentes, conhecidos e até mesmo o próprio locutor.

Apesar disso, com o advento das mídias tecnológicas, podemos conhecer essas narrativas através de produções cinematográficas, como séries e filmes, vídeos no YouTube, ou em matérias virtuais como essa, em que pretendo apresentar 5 lendas urbanas norte-americanas!

Lendas urbanas norte-americanas

1. Bloody Mary (Maria Sangrenta)

Bloody Mary
Bloody Mary, uma das lendas urbanas mais conhecidas. |

Como poderia ser diferente? Bloody Mary é uma das lendas mais famosas nos Estados Unidos (EUA), e também em outros países, tanto que possui várias versões, como A Loira do Banheiro, no Brasil, e Torie no Hanako, no Japão. Mas, hoje, iremos dar destaque à primeira variação. 

Dentre as várias histórias que explicam a origem da lenda, destaca-se a proveniente da vida de Mary Worth. Mary teria sido uma mulher que viveu durante o período da inquisição¹, e muitas pessoas acreditavam que ela era uma bruxa simplesmente por viver em uma pequena cabana no meio da floresta. Os moradores da aldeia local temiam ser amaldiçoados, caso se aproximassem da propriedade Worth.

Logo, algumas meninas começaram a desaparecer do vilarejo, e por mais que houvessem buscas pelas crianças, nada era encontrado. Algumas pessoas até se arriscavam a procurar perto da cabana de Mary, a qual negava ter visto alguma atividade suspeita nos últimos dias. Não havia nada de suspeito ali, a não ser a aparência da mulher, que parecia bem mais jovem e feminina do que antes, o que levantou à certa desconfiança entre os aldeões.

Aquela situação intrigante só viria a ser esclarecida na noite do incidente com a família do moleiro. A mãe, com insônia por conta de uma dor de dente, viu sua filha caminhar para fora de sua casa em uma espécie de transe. Desesperada, a mulher acorda seu marido para que esse a ajude a impedir a menina de continuar o seu caminho, mas nada mostrava-se capaz de romper aquela atração estranha. Seguindo a filha, o moleiro percebeu que ela estava indo em direção a uma luz projetada diretamente do meio da floresta, diretamente da cabana de Worth. 

Os aldeões e o moleiro, ao perceberem o andar da carruagem, investiram ataques contra Mary, que, acuada, quebrou o feitiço e tentou fugir para a floresta, mas não era rápida o bastante. Foi capturada, espancada e queimada em uma fogueira. Enquanto seu corpo ardia em chamas, proferiu uma maldição: aquele que ousasse repetir seu nome em frente a um espelho seria vítima de sua vingança. 

Quando os aldeões voltaram à casa de Mary, encontraram fileiras e fileiras de sepulturas não identificadas. Parece que o sangue das crianças servia como uma bebida rejuvenescedora.

¹Não foram encontrados registros que especificam se foi a inquisição portuguesa ou espanhola, então, por a lenda ter surgido no século XX, acredita-se que foi durante a espanhola. 

2. Vanishing Hitchhiker (Desaparecimento na Boleia)

lendas urbanas estadunidenses
Vanishing Hitchhiker

Essa lenda ficou famosa após a publicação do livro de Jan Harold Brunvand, The Vanishing Hichhiker, em 1981. A versão mais comum dessa lenda conta a história de um homem que estava dirigindo tranquilamente pela estrada a noite, aparentemente voltando de seu trabalho, quando percebe uma figura feminina delineada por roupas de cor clara, parada à beira da estrada. O homem resolve parar e perguntar se está tudo certo. Calmamente, a mulher vira-se e responde que sim, que está apenas precisando de uma carona. Surpreso com a aparência pálida e cansada da moça, o motorista concede-lhe a viagem.

Durante o caminho, foi inevitável notar a aura fria que emanava daquela jovem. Ao perguntar o destino de sua carona, o homem recebe instruções que o levaram para um típico bairro residencial. A moça se despede e anda em direção a uma das casas, e pouco tempo depois, o motorista percebe que ela esqueceu seu lenço no banco do passageiro.

Olhando em volta, não encontrou a moça, o que foi muito estranho, pois não a tinha visto entrar na casa que disse que era sua. O homem bate na porta e é atendido por um senhor, certamente o pai da jovem. Ao explicar a situação, descobre que a mulher sentada há cerca de 3 minutos no banco de seu carro, morreu há 5 anos em um acidente de carro, no mesmo ponto da estrada em que pediu carona. Ela havia sido enterrada com aquele lenço.

3. The shepherd’s daughter (A filha do Pastor)

lendas urbanas norte-americanas
The shepherd’s daughter

O Cansas é um estado dos EUA conhecido pelos diversos acontecimentos sobrenaturais na área, como o Desaparecimento de Ashley, os eventos que ocorrem em Stull, e histórias como A filha do Pastor.

Numa pequena cidade do Cansas, nos EUA, no topo de uma colina, existia uma pequena capela rodeada por sepulturas. Aos fundos, havia um porão muito bem escondido pela grama alta e, na frente da igreja, havia uma grande árvore. Nenhum dos moradores nunca tinha visto uma única folhagem naquela planta, característica que a marca a história da Filha do Pastor.

Essa jovem havia se apaixonado por um homem da cidade, porém, ao saber que aquele estava construindo uma família com outra pessoa, ficou profundamente decepcionada, e testemunhar a alegria daquele casal só a deixava cada vez mais furiosa.

O nascer do filho dos apaixonados rompeu os limites daquela mulher. Enquanto aquela família celebrava o nascer de uma nova vida, a filha do pastor caminhava em direção à casa daquelas pessoas com sangue nos olhos. Ela foi recebida alegremente pelo casal, que quando percebeu o estado de fúria da moça, já era tarde demais.

Os amantes foram degolados e tiveram seus corpos arrastados até o porão da capela. A mulher, após posicionar os cadáveres um ao lado do outro com a criança ainda viva entre eles, trancou o porão e suicidou-se na árvore em frente à capela. Os corpos foram encontrados apenas 3 semanas após o ocorrido, e daquela noite em diante, nunca mais cresceram folhas naquela árvore. Relatos dizem que ainda é possível ouvir um choro estridente de criança pelas proximidades da capela.

4. The Clown Statue (A estátua do palhaço)

melhores lendas urbanas
The Clown Statue

Lenda que surgiu provavelmente nos anos 60, A estátua do palhaço é um leve gatilho para os coulrofóbicos.

Certa noite, um casal decidiu que iria ter um tempo a sós. Por terem dois filhos, decidiram telefonar para sua babá de confiança e pedir para que cuidasse das crianças.

Como todas as noites em que ficara responsável pelos menores, a babá prepara seus jantares, conta-lhes uma história para dormir e guarda teu sono por alguns instantes, já que costumam ter pesadelos. Tendo feito esse processo, desce até a cozinha para preparar a sua refeição, mas antes de poder apreciá-la, é surpreendida pelos gritos assustados dos pequenos. Sobe correndo as escadas e, no quarto das crianças, encontra-as abraçadas em estado de completo desespero, com expressões de medo, e a janela totalmente aberta. As cortinas esvoaçantes com o frio vento da noite.

A babá interpreta que a fechadura da janela rompeu com a ventania que era geralmente forte naquela época do ano, e teria sido o barulho que assustara as crianças daquela forma. Depois de fechar bem as persianas e prometer que permaneceria por perto das crianças, a babá decide sentar-se na cadeira de costume, no quarto ao lado.

Ao acender as luzes leva um pequeno susto ao perceber que havia uma estátua de palhaço em sua cadeira. Sua cabeça estava baixa, os braços, cruzados sobre o corpo, e as pernas, bem espaçadas. Como não tinha medo de pessoas naquele tipo de fantasia, sacou do bolso seu celular e até se esforçou em ignorar aquela figura suspeita, mas não conseguia. Não podia ter certeza se sua mente estava pregando-lhe peças ou se realmente aquilo parecia estar respirando lentamente… Passou a sentir como se não estivesse sozinha naquele cômodo. 

Resolveu, então, ligar para o pai das crianças, que atendeu prontamente ao telefone. A babá, após dizer estar tudo bem com os pequenos, perguntou se poderia cobrir aquela estátua com um pano, já que aquela estava dando-lhe calafrios. Após um breve silêncio, a jovem ouviu sussurros no telefone e o grito agudo da esposa do homem, depois disso, ouviu a voz grave dele lhe dizendo: “Pegue meus filhos e fuja para a casa dos vizinhos imediatamente, ligarei para a polícia”. Antes que a moça pudesse dizer algo, o homem continuou: “Nós nunca tivemos uma estátua de palhaço”. 

A babá vira-se rapidamente para a cadeira… aquela coisa não estava mais lá. A única coisa que estava sendo preenchida era o silêncio daquela casa com o grito sufocado das crianças. Ele havia assassinado as duas. A jovem desce desesperadamente as escadas, procurando a saída daquele lugar, porém, não foi rápida o suficiente. Naquela noite, ela não encontrou nenhuma forma de escapar; o que viria a ser encontrado posteriormente seria apenas os três corpos ensanguentados.

5. The portraits (Os retratos)

lendas urbanas
The portraits

Reza a lenda que, certa vez, um caçador, depois de um longo dia de caça, viu-se perdido no meio de uma floresta. Estava anoitecendo e ele decidiu andar em apenas uma direção para tentar sair daquele lugar. Após algum tempo, encontrou uma velha cabana e, percebendo o quão escuro já estava, decidiu ver se poderia passar a noite ali. A porta estava entreaberta, e não havia ninguém no local. Então, entrou e deitou-se na única cama que tinha ali. Iria explicar-se ao dono do imóvel pela manhã.

Porém, não foi uma tranquila noite de sono. O caçador acordou no meio da noite e pôde perceber algo que não estava ali antes. As paredes estavam repletas de quadros. Quadros de pessoas pintados com um realismo inacreditável, o que ressaltava os seus semblantes furiosos. Haviam vários deles, e eram tão reais que pareciam fotografias. Quase como se estivessem… vivas. Não era como se tivessem posado para uma foto, era como se o estivessem encarando, com um ódio profundo do seu ser.

O homem começou a se sentir extremamente desconfortável. Fazendo um esforço enorme para ignorar aqueles olhares, virou-se na cama e voltou a dormir. Pela manhã, despertou com raios inesperados de sol banhando a pele de seu rosto. Com o olhar ainda atordoado pela luz, pôde perceber que ali não havia nenhum quadro. Apenas… janelas.

Observação: A matéria acima foi redigida tendo como base a opinião da autora, e a classificação presente não deve ser interpretada como predominante.

Fontes do texto:

  • https://www.infoescola.com/folclore/lendas-urbanas/
  • https://www.pensador.com/frases_aldous_huxley/
  • https://aminoapps.com/c/supernaturalaminoptbr/page/blog/a-origem-de-bloody-mary/BWne_arIwuJvL1a7m2j1j62W7mBJ3bZoe6
  • https://www.youtube.com/c/C4N4LM90OFICIAL
  • https://www.sombriamente.com.br/2016/03/creepypasta-baba-e-o-palhaco.html

Fontes das imagenshttps://www.aficionados.com.br/it-a-coisa-2-as-versoes-mais-assustadoras-de-pennywise/
https://socientifica.com.br/conheca-a-historia-por-tras-do-mito-da-maria-sangrenta/
https://s3-sa-east-1.amazonaws.com/falauniversidades-wordpress-library/f5/fotos/3184_1659_Pauta_TextoImage.jpg
http://www.adorocinema.com/noticias/filmes/noticia-113389/
https://s3-sa-east-1.amazonaws.com/falauniversidades-wordpress-library/f5/fotos/3184_1660_Pauta_TextoImage.jpg
https://www.pexels.com/pt-br/foto/1194814/

_________________________________
Por Eduarda Leite – Fala! UFG

Tags mais acessadas