Como a pandemia interferiu na competição mais cara do futebol?
Menu & Busca
Como a pandemia interferiu na competição mais cara do futebol?

Como a pandemia interferiu na competição mais cara do futebol?

Home > Notícias > Esporte > Como a pandemia interferiu na competição mais cara do futebol?

A pandemia do novo coronavírus trouxe prejuízo para o mundo inteiro e a competição mais cara do futebol mundial não ficou de fora da lista de atingidos por ela. Em março, todos os campeonatos de futebol foram suspensos e só retornaram depois de junho, atrasando, assim, o andamento da temporada que estava para encerrar e o início da temporada seguinte. 

Para encerrar o seu campeonato de um modo considerado seguro, a UEFA escolheu Lisboa para sediar um “super campeonato”, onde aconteceriam sete partidas num intervalo de 12 dias, e daí sairia o campeão da Europa na temporada 2019/20, título conquistado pelo Bayern de Munique pela 6ª vez, de portões fechados, sem a tradicional festa das torcidas e perdendo um pouco do seu brilho.

Alguns dizem que essas condições foram responsáveis pelos desempenhos dos times na competição, inclusive do PSG, que sempre é eliminado em jogos importantes em jogos com torcida, disputando a final da competição pela primeira vez desde que foi criado. 

pandemia
A pandemia também prejudicou o futebol. | Foto: Reprodução.

Impacto da pandemia na UEFA Champions League

No último dia 28, a Champions League deixou de receber o maior confronto individual por conta da Covid-19. O que seria o reencontro nos campos de Messi e Cristiano Ronaldo desde que o craque português trocou o Real Madrid pela Juventus e a segunda vez que os maiores jogadores do futebol moderno de enfrentariam pela Liga dos Campeões da Europa.

CR7 testou positivo para o novo coronavírus 15 dias antes do confronto e, mesmo assintomático, não obteve o resultado negativo antes do jogo, desfalcando a sua equipe (que foi derrotada) para o jogo. O maior artilheiro da história da competição perdeu os dois primeiros jogos dela por causa do vírus. 

Mostrando que o vírus não escolhe raça, gênero ou classe social e que dinheiro algum pode pará-lo. 

______________________________
Por Jessica Santos – Fala! UFBA

Tags mais acessadas