Home / Colunas / Cinema / Resenha: 1ª Temporada La Casa de Papel

Resenha: 1ª Temporada La Casa de Papel

Por Lucas Ignacio – Fala!Cásper

“O erro de todo plano é achar que tudo vai dar certo!”

La Casa de Papel é uma série de televisão espanhola que tem seu tema centrado no assalto na casa da moeda da Espanha. Criada por Álex Pina para as redes televisão espanhola Antena 3, a série estreou no dia 2 de maio de 2017. Estrelando “Tóquio” (Úrsula Corberó), “Nairóbi” (Alba Flores), “O Professor” (Álvaro Morte), “Berlin” (Pedro Alonso), “Moscou” (Paco Tous), “Denver” (Jaime Lorente), “Rio” (Miguel Herrán), “Helsinque” (Darko Peric), “Oslo” (Roberto García) e “Raquel Murillo” (Itziar Ituño).

A historia da série se inicia quando um homem misterioso começa a reunir um grupo de criminosos com certas habilidades para fazer um assalto. De acordo com ele, este seria o maior roubo do século. Todos os assaltantes o conhecem por “Professor”. Os 8 membros da equipe são Tóquio, Rio, Nairóbi, Berlin, Denver, Moscou, Helsinque e Oslo, que adotam esses nomes porque, para o Professor, era essencial não ter sentimentos ou conhecer a vida pessoal dos outros envolvidos no assalto. Por isso, ninguém saberia o nome de ninguém – somente o Professor-, e obviamente tudo ficaria em segredo para o sucesso do assalto. O plano é muito meticuloso e muito bem pensado pelo Professor, até mesmo os policiais que iriam cuidar do caso foram estudados para as negociações fluírem melhor. Entre os planos reservas, estavam, o que fazer com reféns, como tratar a policia e manter tudo no controle e o plano nos trilhos.

Leia Mais

Confira também:

Resenha: Perdidos no Espaço

Resenha: Twin Peaks – O Retorno

Confira também

The Walking Dead: teaser da 9ª temporada é sobre os sussurradores

Por manonjdg A série The Walking Dead decidiu dar uma “provocadinha” nos fãs antes da ...

Um comentário

  1. Jose Aloisio Soares

    Produção ruim. Elenco ruim, fotografia mediana. O que chama a atenção é que obra foi produzida na Espanha, faz parte da União Europeia mas o autor entrou no esquema do politicamente incorreto. Retratou o bando de ladrões e fez cair no gosto popular; reversão dos valores morais. Houve cinéfilos que amou atuação dos bandidos. Torceram por eles. Lembra tragicomédia tipo pastelão. Inspetora, com suas caras e bocas, nunca desconfiou da identidade do professor. Ficou tipo gato e rato… Pior foi a patética equipe policial; a gangue deitou e rolou nos policiais… Será que a terceira temporada vai focar na vida deles pós-assalto?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *