Buscando um conceito de fake news e a melhor forma de combatê-las
Menu & Busca
Buscando um conceito de fake news e a melhor forma de combatê-las

Buscando um conceito de fake news e a melhor forma de combatê-las

Home > Notícias > Urbano > Buscando um conceito de fake news e a melhor forma de combatê-las

Em entrevista ao Fala! Universidades, Juliana Coelho, mestranda da Faculdade de Educação da USP, disseca de forma completa as fake news

No Brasil, para além de vivermos tempos de obscurantismo, de negação às evidências científicas, de barbaridades, de violência e de muito extremismo, também nos encontramos em uma clara polarização política. Debates pautados pelo respeito e pela razão parecem estar cada vez menos presentes no nosso país. Nesse atual cenário, as pessoas passaram a selecionar a verdade, isto é, se uma notícia for ao encontro com a visão de mundo do indivíduo, ele irá classificá-la como verídica. Ou seja, a era da pós-verdade, sem dúvida, está muito em evidência por aqui.

Para uma breve explicação, pontuo que a pós-verdade é a era em que vivemos, na qual, no momento de criarmos e formularmos as opiniões públicas, os fatos objetivos e embasados têm menos influência que os apelos às emoções e às crenças pessoais. Nesse sentido, observamos uma proliferação extremamente acentuada de fake news. As notícias falsas, vale destacar, são capazes de se propagar de uma forma altamente intensa, não só pelo fato de que as redes sociais são um ambiente propício para a viralização destas, mas também porque estas têm muita relação com o contexto da pós-verdade e dessa extrema polarização vivida no Brasil.  

fake news
Entenda o que são as fake news. | Foto: Reprodução.

Fake news

As fake news, há de se ressaltar, não são notícias mal apuradas ou apenas boatos, rumores e fatos satíricos. Pelo contrário. As fake news são artigos noticiosos que contêm distorções e deturpações intencionais dos fatos com o objetivo de enganar, atrair e persuadir o público.

Juliana Coelho Braga de Oliveira Penna, mestranda da Faculdade de Educação da USP na linha de pesquisa de Educação Científica, Matemática e Tecnológica, acredita que o conceito dessas notícias falsas possa ter sido disseminado de forma equivocada para a sociedade.

Eu penso que a grande questão aqui é o fato de que as fake news não são ocasionadas por um desconhecimento ou por um equívoco na comunicação por parte de quem está criando esse conteúdo. Muito pelo contrário. Na realidade, existe uma intencionalidade de convencer a audiência de que aquela é uma notícia verdadeira.

Então, eu acho que essa questão de que o conceito de fake news foi disseminado de maneira errada possa acontecer sim, no sentido de que, por vezes, a sociedade pode não perceber que as fake news não são ocasionadas por um desconhecimento, mas sim, de que o que existe por trás das fake news é um interesse político, é um interesse econômico, é algum tipo de interesse de que aquela notícia seja veiculada com aquele viés.

afirmou. 

Ainda assim, de suma importância salientarmos que são necessários determinados mecanismos para que esses artigos noticiosos sejam plenamente capazes de atrair e convencer da veracidade de seu conteúdo a sua audiência. Para tanto, as fake news apropriam-se de recursos técnicos e jornalísticos para alcançar o seu objetivo.

Essas notícias têm uma estruturação muito bem pensada. Elas geralmente começam com frases trazendo referências de médicos, de especialistas, de universidades famosas. Posteriormente, elas se aprofundam em uma questão de uma linguagem técnica de termos (palavras científicas) que a pessoa pode até não ter conhecimento profundo sobre aquele conceito, mas que traz uma confiabilidade para a notícia. E, por fim, finaliza pelo emocional, com alguma coisa que tange ao sentimento. Portanto, essa é uma estruturação muito inteligente, que faz muito sentido e é convincente.

acrescentou Juliana Coelho. 

Além disso, é claro, esses artigos noticiosos fabricados utilizam alguns conceitos do jornalismo, como o elemento noticioso, que conferem maior credibilidade e legitimidade para essas narrativas falsas que querem propagar. Dessa forma, o componente de uso da narrativa jornalística, a falsidade total, a utilização de mecanismos técnicos que buscam dar maior confiabilidade na notícia e a clara intenção de enganar ou criar falsas percepções são os principais elementos para a definição de uma fake news. 

As notícias falsas, para além de terem componentes de inautenticidade, também defendem ideias reacionárias, retrógradas e pouco embasadas cientificamente. Portanto, é um fato que elas são altamente prejudiciais para a esfera social. Ainda assim, Juliana Coelho é cautelosa em afirmar quais são os impactos dessa disseminação tão acentuada de fake news para a nossa sociedade. “É difícil de mensurar isso. Precisamos de muitos estudos dentro dessa área para chegarmos nessa resposta, porque qualquer coisa que eu fale sem ter um embasamento científico, seria apenas uma hipótese”, pontou ela.

Apesar disso, a mestranda da Faculdade de Educação da USP acredita que o espalhamento de fake news pode afetar a saúde pública do nosso país, em virtude de que uma série de artigos noticiosos fabricados vinculados ao movimento antivacina vem influenciando muitos pais brasileiros a pararem a vacinação de seus filhos, provocando a volta de doenças que estavam erradicadas ou na piora de doenças que já estavam controladas.

Para finalizar, acrescento que é mais do que necessário o combate a essa propagação intensa de fake news, em razão de que, como dito anteriormente, elas são extremamente maléficas e prejudiciais para toda a sociedade. Para isso, Juliana Coelho enfatiza o papel do Estado nesse embate às notícias falsas.

Eu acredito que o Estado pode e deve atuar em duas frentes. Uma frente seria justamente no sentido de combater a propagação dessas notícias falsas, criando, por exemplo, como o próprio Ministério da Saúde tem, um site no qual as pessoas podem consultar se aquela notícia é falsa, se aquela notícia pode ser uma fake news ou não. Na segunda frente, o papel do Estado é justamente garantir essa educação pública e de qualidade.

Essa educação pública de qualidade seria tanto no nível de educação básica, em que o Estado provenha uma escola na qual os alunos vão ter acesso a essas discussões e serão muito bem instruídos, e também no nível da educação superior, através da formação dos professores, para que eles sejam capazes de alfabetizar, letrar e instruir corretamente seus alunos.

Sendo assim, é essencial garantir uma educação pública de qualidade para o profissional que vai atuar na educação básica. Essas duas frentes são fundamentais para o combate de fake news, mas o fator principal é garantir uma educação de qualidade.

finalizou.  

_______________________________
Por Leonardo Cavallaro – Fala! Cásper

Tags mais acessadas