Home / Colunas / Bolsonaro volta a fazer campanha sobre o ”Kit Gay”

Bolsonaro volta a fazer campanha sobre o ”Kit Gay”

Por Thiago Dias – Fala!Anhembi

 

O Candidato a presidência do Brasil, Jair Bolsonaro (PSL) volta a falar do ‘’Kit Gay’’

Jair Bolsonaro foi proibido pelo TRE de veicular qualquer tipo de material relacionado ao ‘Kit Gay’ por causar‘’ desinformação ‘’ para a sociedade. Sendo uma das principais pautas do candidato desde quando ele anunciou sua candidatura, como o mesmo apelidou pejorativamente o material que supostamente seria distribuído para crianças dentro da sala de aula.

Foto: Thiago Dias

O atual ministro do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) proibiu na última terça-feira (16) de outubro, qualquer tipo de veiculação relacionada ao ilusório “Kit Gay”, nome dado ao projeto de educação e diversidade sexual que teve aprovação até da UNESCO.

 “Nesse quadro, entendem comprovada a difusão de fato sabidamente inverídico, pelo candidato representado e por seus apoiadores, em diversas postagens efetuadas em redes sociais, requerendo liminarmente a remoção de conteúdo. Assim, a difusão da informação equivocada de que o livro em questão teria sido distribuído pelo MEC… gera desinformação no período eleitoral, com prejuízo ao debate político”, Segundo o ministro do TSE.

O candidato voltou a falar do “Kit Gay”  em sua campanha que foi veiculada ontem (25) no horário eleitoral em inserções de 30 segundos na TV e no rádio e também voltou a  fazer Fake News da vice-candidata Manuela D’Ávila.  Na campanha política divulgada, Bolsonaro associa Fernando Haddad (PT) a veiculação de um filme com “beijo lésbico” para crianças de seis anos em idade escolar.

 

 

 

 

Nos poucos debates que compareceu, na última entrevista que o presidenciável esteve presente, no dia (28) de agosto no Jornal Nacional, o candidato pelo PSL chegou até levar um livro, Aparelha Sexual e Cia, que é da autora francesa, Hélène Bruller, insinuando que o MEC havia distribuído para crianças em sala de aula. O MEC desmentiu o comentário do candidato.

“O Ministério da Educação (MEC) informa, em nota, que não produziu e nem adquiriu ou distribuiu o livro “Aparelho Sexual e Cia”, que, segundo vídeo que circula em redes sociais, seria inadequado para crianças e jovens brasileiros. O MEC afirma ainda que não há qualquer vinculação entre o ministério e o livro, já que a obra tampouco consta nos programas de distribuição de materiais didáticos levados a cabo pela pasta”, Concluiu o Ministério da Educação em nota.

O Verdadeiro projeto foi criado em 2004, através do Governo Federal, que inaugurou o programa  “Brasil sem Homofobia “, no qual o candidato à presidência Fernando Haddad era o ministro da educação na época. O programa tem como objetivo educar adolescentes e pré-adolescentes sobre a diversidade sexual nas escolas públicas, com intuito de combater a lgbtfobia e a violência. O material teve apoio do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), mas o projeto não agradou os mais conservadores e acabou sendo vetado pelo governo em 2011.

Após essa polêmica e diversas outras, o presidenciável acabou liderando nas intenções de votos desde do primeiro turno, pois ganhou local de presença na mídia por causa das invenções das Fake News que ele mesmo divulgava em suas redes sociais em ataque  ao Fernando Haddad e ao PT.

Após o projeto ser engavetado, a Associação Brasileira de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais (ABGLT), que também estava presente na confecção do material, optou em divulgar o programa aos professores, já que houve investigação de 1,9 milhão durante os 4 anos de manutenção do projeto. “Acreditamos na relevância do material para garantir o respeito à diversidade nas escolas e queremos dar retorno à sociedade, já que dinheiro público foi investido”, Segundo a organização à NOVA ESCOLA.

Confira também

Consciência Negra, muito além do dia 20 de novembro

Por João Guilherme Lima Melo – Fala!PUC   Projeto de lei número 10.639, dia 9 ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *