Cadastre-se e tenha acesso a conteúdos exclusivos!
Quero me cadastrar!
Menu & Busca
Ao vivo e Sem Cortes – A Opinião de um Aluno Sobre as Votações do Impeachment na Câmara dos Deputados

Ao vivo e Sem Cortes – A Opinião de um Aluno Sobre as Votações do Impeachment na Câmara dos Deputados

Decepciona um pouquinho, né. Foi isso o que meu pai me disse voltando do Vale do Anhangabaú num silêncio fúnebre. Sentimento de decepção e derrota, com um processo mais falso do que retrógrado.

Vi, em um telão, uma câmara que diz representar o povo brasileiro fazer um perfeito carnaval. A mesma Câmara que me disseram ser a Cara do Brasil. Eu vi deputados latifundiários, empresariais, religiosos fanáticos e militares. Não vi a cara do Brasil. Com muita dificuldade se consegue ver negros, homossexuais, pobres e mulheres. A Cara do Brasil é bem diferente.

Fiquei com dó de muitas pessoas. Uma delas foi Deus. Coitado do nosso Senhor, em uma votação de um Estado Laico em que até Eduardo Cunha votou em seu nome, Deus deve estar desesperado. A outra pessoa não foi necessariamente uma só, mas muitas outras, inclusive. São aquelas que dizem representar a direita, mas só sabem discutir gritando, cuspindo e usando Caps Lock – vocês representam a vergonha, não a direita. Aquelas que perdem a noção mínima de respeito, espalhando comentários homofóbicos e gordofóbicos nas redes sociais. Aquelas que apoiam pessoas como Jair Bolsonaro, o mesmo que deveria ter sacado sua pistola de estimação e dado um tiro no homem em que elogiou e parabenizou, Eduardo Cunha. Até porque, bandido bom é bandido morto, não é?

Mas vejo um por do sol bonito nesse horizonte podre. Nunca vi tantas pessoas acompanhando a política no país, concordando ou não com seus lados. Isso me dá esperança e desespero ao mesmo tempo. Esperança pela participação política e desespero pela falta de debate, paciência, amor, respeito e informação. Esse cenário serve para você, amigos e amigas, mamães e papais, titias e titios, que votam em deputado como quem vota no paredão do Big Brother Brasil, ou que nem se lembram dos deputados que votaram nas última eleições: que vocês saibam da responsabilidade que seus dedos indicadores possuem diante de uma urna eletrônica.

Eu não me arrependo de nenhuma ideia que defendi, nem de nenhuma linha que escrevi contra esse carnaval e, como todo feriado, a quarta-feira há de chegar. Mas eu durmo de consciência tranquila. Sem me sentir enganado pensando que ao tirar a Dilma, tirariam também o Temer e o Cunha – até porque esse processo é para satisfazer outros anseios, infelizmente. E se ser a favor do impeachment é estar ao lado de Deus, me desculpem, deputados, Deus e vovó, mas dessa vez muita gente vai ficar com o diabo.

Paradoxo cruel de futuras esperanças e personificações da escrotidão. Onde deputados citaram as netas, filhas, famílias, Deus, militares, Revoltados Online, mas não citaram algum crime de responsabilidade. É com muito pesar que vejo o caminho errado seguindo adiante, sentindo vergonha em ver a Câmara dos Deputados do meu país como se fosse um Boteco, com direito a homofobia, cusparada, xingamento e gritaria. Mais triste ainda em ver que há pessoas que, mesmo depois desse espetáculo televisionado e dessa propagação de intolerância, estão crentes que o problema do Brasil é a Presidenta. Sim, eu sei. Decepciona um pouquinho, né?

img201604172325358433542
Foto: www2.camara.leg.br

 

Por: Leonardo Martins – Fala!Cásper

1 Comentário

  1. Abelardo
    3 anos ago

    Parabéns, Leonardo.