Home / Colunas / Alunos do 9° ano e Ensino Médio simulam a vida de jornalistas internacionais em projeto da ONU

Alunos do 9° ano e Ensino Médio simulam a vida de jornalistas internacionais em projeto da ONU

Por: Letícia Cangane – Fala! Cásper

 

Durante um final de semana, estudantes de 13 a 17 anos fazem cobertura midiática de uma simulação de organismos da ONU.

Entre os dias 07 e 09 de abril, 21 jovens se reuniram em São Bernardo do Campo (SP) para integrar a redação do jornal Imprensa AbacoONU, veículo fictício, criado pelo Comitê de Imprensa da Simulação de Organismos da ONU – AbacoONU – com o objetivo de fazer a cobertura dos comitês de debate.

Os jornalistas passam o evento todo assistindo as discussões, cada qual em sua sala de debate, e, no prazo estipulado, precisam entregar matérias acerca das sessões.

image1
Jornalistas e diretoras do comitê de Imprensa. Foto por Laura Garavatti.

 

Dentre os adolescentes que compuseram o comitê de imprensa, vários sonham em seguir a carreira de jornalista. Estes viram no evento uma oportunidade de ter seu primeiro contato com a profissão, e assim vivenciar a sua rotina por três dias.

Giovana Gaidys, 14 anos, conta pra gente um pouco da sua impressão ao participar do projeto:

“A experiência de ter sido jornalista nesses três dias foi muito enriquecedora e incrível, porque com tudo isso eu tive mais certeza ainda de que eu quero, de fato, seguir com a carreira e fazer faculdade de jornalismo, apesar de todas as dificuldades”.

Após o final do evento, outros alunos que participaram como jornalistas, os quais nunca haviam pensado em escolher esse curso, agora consideram seriamente a opção, demonstrando o valor agregado que a experiência carrega.

A experiência jornalística teve início logo nas inscrições, quando cada candidato tinha que enviar à mesa diretora do comitê um application, o qual consistia em um texto noticiando um caso de violência policial em manifestações. A partir deste primeiro contato, foram selecionados os melhores textos, sendo sete vagas compostas por alunos do Ensino Fundamental, e catorze vagas ocupadas pelos demais.

image2
Foto: Laura Garavatti.

 

Uma semana antes do evento começar, os primeiros desafios são propostos aos participantes: em grupos, devem elaborar artigos de opinião acerca de temas relevantes para o universo jornalístico, assim como dos “modeleiros” (participantes de MUNs – Model United Nations), tais como a relevância de comitês históricos, a importância das simulações na formação de um aluno, e também a importância da mídia nos tempos atuais.

Todos os artigos seriam publicados na manhã do sábado (08), segundo dia do evento e primeiro dia de discussões, no blog da Imprensa AbacoONU.

Cada estudante participou do fórum representando um grande jornal internacional – Al-Ahram, Le Monde Diplomatique, The Guardian, The New York Times e El País -, de forma que, além de relatar os fatos, precisou prestar atenção à ideologia e nacionalidade de seu veículo, de forma que refletisse estas em suas matérias.

Além disso, os jornalistas deviam estar muito atentos a noticiários atuais, uma vez que os temas dos comitês eram de relevância internacional, e representavam grandes problemas atuais, sobre os quais todos os alunos precisavam exercer pleno domínio.

Entrando realmente numa rotina de redação, os alunos tinham deadlines a cumprir para o jornal online e impresso, participavam de mídias interativas, como o Snapchat, a página do Facebook, o blog e o Minuto AbacoONU, pequeno programa de telejornalismo com entrevistas elaboradas e realizadas pelos mesmos – além de fazerem coletivas de imprensa com os delegados (representantes dos países). Os jornalistas também eram avaliados como tais, tendo que escrever suas notícias com a aplicação de conceitos da área, como lead e pirâmide invertida.

image4
Foto: Laura Garavatti.

 

Uma das diretoras do comitê, Karolina Slindvain, 18, ressaltou a importância da simulação de imprensa para os participantes:

“A experiência de participar no Comitê de Imprensa no AbacoONU, cativa inúmeros secundaristas a compreenderem como a escrita é uma ferramenta importante. Os jornalistas também tiveram que entender os aspectos ideológicos do jornal que iriam representar, e elaborar um texto bem conciso sobre o que se passava nos comitês das Nações Unidas”.

“… Meu papel neste evento foi guiar os participantes junto com outras diretoras. Tentamos mostrar a relevância do papel do jornalista nas demais sociedades, e reiterar o quão importante a mídia é. Também acredito que nas demais simulações há uma urgência no que tange o reconhecimento dos jornalistas – durante três dias pode-se observar o quão árduo é o papel deste, e, mesmo dentro das MUNs, eles não recebem o devido crédito”, acrescentou a diretora sênior da Imprensa.

image3
Foto: Laura Garavatti.

 

Na edição de 2017, o número de interessados em compor o comitê de imprensa surpreendeu a organização do evento, que não esperava que a demanda fosse grande, e acabou excedendo o número de vagas disponíveis. Para o ano seguinte, o comitê promete continuar ativo e se tornar maior e mais inovador, agregando cada vez mais novidades, ressaltando a importância dessa experiência jornalística para os secundaristas.

image5
Foto: Laura Garavatti.

 

Confira também:

– Por que a Reforma Previdenciária é uma furada?

Emissor e receptor: Quem manipula as informações?

Confira também

Beleza, você manja de inglês, mas manja quanto?

Você está planejando um intercâmbio? Quer participar de um processo seletivo para ingressar em uma ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *