Inscreva-se agora e fique por dentro das novidades!
Quero me inscrever!
Menu & Busca
Resenha: 13 Reasons Why – 2ª Temporada

Resenha: 13 Reasons Why – 2ª Temporada

Por Vinicius Santos – Fala!Cásper


Toda história tem dois lados. A primeira temporada da série contou a história de Hannah Baker (
Katherine Langford) a partir da perspectiva dela, com as fitas gravadas por ela explicando os motivos que a levaram ao suicídio. Agora, a nova temporada explora o “outro lado da moeda”, já que as pessoas citadas na fita serão testemunhas no julgamento entre a escola Liberty High e os pais de Hannah – assim, elas mostrarão um ponto de vista divergente ou complementar ao mostrado na primeira temporada.

 

Este novo ano da série mostrou-se muito mais maduro que o anterior. Enquanto a primeira temporada aborda os assuntos “tabus” de maneira diluída e gráfica, e alguns dos episódios são bem arrastados e até mesmo desnecessários, na segunda temporada, o modo como assuntos tais quais suicídio, abuso sexual e machismo, são tratados de maneira consciente e tem o devido peso, não sendo somente um recurso de roteiro. Também, a narrativa tornou-se mais dinâmica, ganhando um ar de thriller adolescente que, na primeira temporada, não era tão bem executado.

[read more=”Leia Mais” less=””]

Mas apesar da evolução no estilo da série, os diálogos, principalmente entre Hanna e Clay (Dylan Minnette, vende-se esta casa) continuam fracos. Ela transformou-se em uma espécie de “fantasma pessoal” para ele, e os diálogos entre eles são, em muitas ocasiões, dispensáveis, além de que essa presença sobrenatural tira o clima mais realista que a série está tomando, transformando essas aparições da personagem quase em uma desculpa para dar mais tempo de tela a atriz.

O elenco do núcleo adolescente série.

Felizmente a maior parte do elenco não sofre com esse problema. Como a segunda temporada se passa alguns meses depois do suicídio de Hannah, os personagens evoluíram. Alex (Miles Heizer), após sua tentativa de suicídio, tem que voltar à rotina escolar e lidar com as consequências físicas e mentais disto. Jessica (Alisha Boe), junto com Alex, volta à escola enquanto ainda tenta superar o trauma de ter sido abusada sexualmente por Bryce (Justin Prentice).

O segundo ano da série traz mais acertos do que falhas, o modo como aborda os assuntos principais da série e apresenta novos, como vício em drogas, com o personagem Justin (Brandon Flynn), e o problema do porte de armas nos EUA, com Tyler (Devin Druid), são exemplos de acertos dela. A abertura desses temas levam a crer que uma terceira temporada possa acontecer, mas enquanto isso vale a pena conferir a segunda temporada que está disponível na Netflix desde 18 de maio de 2018.

[/read]

Confira também:

– Resenha: Perdidos no Espaço

– Resenha: Um lugar silencioso  

0 Comentários